Geral

O Consórcio Estreito de Energia (Ceste), responsável pela construção da Usina Hidrelétrica Estreito, vem desenvolvendo desde 2007, por meio da Universidade do Tocantins (Unitins), o Programa de Valorização Cultural, Histórico e Paisagístico de toda área de influência do empreendimento, que abrange 12 municípios nos estados do Maranhão e Tocantins.

Com isso, pretende-se caracterizar todo o patrimônio histórico, cultural e paisagístico da região, a partir da identificação espacial e cronológica, promovendo também, diferentes ações educativas e de divulgação para informar e, ao mesmo tempo, favorecer uma leitura detalhada do universo desse patrimônio, buscando sua proteção.

Ao falar do patrimônio histórico, cultural e paisagístico, traduzimos como bens culturais resultantes da ação humana, que se manifesta em bens tangíveis, como edificações, máquinas e equipamentos, e intangíveis, como saberes, técnicas, além do conjunto simbólico, leia-se linguagem, crenças, bem como monumentos geológicos, arqueológicos, paleontológicos e ambientais.

De acordo com a coordenadora do Núcleo Tocantinense de Arqueologia (Nuta), da Unitins, professora Antônia Pedreira, são levantados aspectos, desde a formação dos municípios, até suas diferentes formas de manifestações, como as folclóricas e culturais. “A equipe de pesquisadores percorre os diversos municípios, onde são buscados os descendentes dos primeiros moradores da região. Ali, junto à comunidade, são levantadas as origens da cidade e os aspectos culturais, folclóricos e religiosos mantidos. Paralelo a isso, é feito um estudo do patrimônio arqueológico, ocorrendo em alguns casos, o resgate de amostras desse patrimônio, para que seja preparada uma coleção científica”, ressaltou.

O gerente de Meio Ambiente, Luciano Madeira, informa que o resultado de toda essa pesquisa estará, posteriormente, registrado em publicação científica que será distribuída para os municípios da área de abrangência direta da UHE Estreito. “Esse legado histórico estará a salvo e disponível como fonte de pesquisa para estudantes e profissionais. Será possível observar aspectos interessantes e peculiares a cada região em que a UHE Estreito tem influência direta”, comenta o Gerente.

Como forma de manter a riqueza das informações coletadas latentes à população, principalmente os mais novos, pesquisadores percorrerão escolas públicas dos municípios de Carolina e Estreito no Maranhão e Aguiarnópolis, Babaçulândia, Barra do Ouro, Darcinópolis, Filadélfia, Goiatins, Itapiratins. Palmeirante, Palmeiras do Tocantins e Tupiratins no estado do Tocantins, disseminando os resultados obtidos, por meio de palestras e seminários.

Fonte: Assessoria de Imprensa UHE Estreito