Polí­tica

Foto: Divulgação

O deputado federal Moisés Avelino, que chegou pela manhã desta sexta-feira, 05, à reunião da executiva do PMDB dizendo que iria votar em Siqueira Campos (PSDB), nas eleições de outubro, parece ter balançado em sua posição ao longo da reunião.

Mais tarde, Avelino, falando aos correligionários, repisou que tem problemas de ordem pessoal com lideranças do partido, e, relembrando o ex-governador Siqueira Campos, disse que falta um nome de referência no PMDB na corrida pelo poder do Estado. O deputado entretanto mudou seu posicionamento e também defendeu um nome do PMDB ao governo. Antes nem isto o deputado era a favor.

Segundo Avelino, discursos como os que foram feitos na reunião, pouco favorecem o partido. Ele ressaltou a necessidade de maior unidade dentro do PMDB e com o governo.

Espaço no governo

Um assunto recorrente na reunião da manhã desta sexta-feira foi a falta de apoio do governo Carlos Henrique Gaguim ao PMDB. O presidente regional do partido, deputado federal Osvaldo Reis e o deputado estadual Eli Borges afirmaram que os aliados do partido estão enfrentando dificuldades de conseguir espaço no governo, em detrimento de outros partidos, inclusive os de oposição.

O prefeito de Miranorte, Abraão Costa, ressaltou a mágoa dos prefeitos com o governo, pela falta contato com o governo de coalizão. De acordo com o prefeito, “tem muito jogo de interesse pessoal” no cenário político estadual.

O representante municipal declarou apoio ao ex-governador Marcelo Miranda no pleito deste ano. Segundo Costa, “não adianta discutir eleição do PMDB, se não tiver Marcelo Miranda na chapa”. Abrão costa afirmou a importância de uma aliança regional entre PMDB e PT. “Por que não seguir a coligação nacional?” questionou o prefeito.