Geral

Foto: Samuel Daltan

As obras da Ferrovia Oeste-Leste, que ligará os estados do Tocantins e Bahia, terão início em julho deste ano. A informação foi passada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao governador Carlos Henrique Gaguim e os demais participantes da cerimônia do lançamento dos editais para a construção da Ferrovia, realizada na tarde desta sexta-feira, 26, no município de Ilhéus (BA). Na ocasião, o governador esteve ao lado da ministra-chefe da Casa Civil Dilma Rousseff; do presidente da Valec, José Francisco das Neves (Juquinha); do governador da Bahia, Jaques Wagner e de outras autoridades federais.

Carlos Gaguim destacou a importância do empreendimento para o Estado, já que será ligado à Ferrovia Norte-Sul. “Com todas essas obras que estão sendo realizadas para a logística de nosso Estado iremos gerar milhares de empregos para os tocantinenses”, afirmou o governador. O presidente Lula, em seu discurso, disse que a intenção do Governo Federal é utilizar todos os meios de transportes para impulsionar o desenvolvimento do país, que passará pelo Tocantins. “Vamos construir o sistema multimodal de transportes, utilizando as rodovias, ferrovias, hidrovias e o transporte aéreo”, garantiu.

A Oeste-Leste terá uma extensão de 1.527 km que sairão de Ilhéus indo até o município de Figueirópolis, no Sul do Tocantins. “Nunca na história desse país foram construídos tantos trilhos de ferro, em tão pouco tempo, como está acontecendo agora”, ressaltou o presidente da Valec – empresa responsável pelas obras da Ferrovia. Juquinha ainda completou dizendo que os editais para que a Ferrovia Norte-Sul possa ser construída até o estado de São Paulo serão lançados no próximo dia 5 de abril.

A obra vai gerar 23 mil empregos diretos com investimentos estimados em R$ 6 bilhões até 2012 do PAC - Programa de Aceleração do Crescimento. Os principais produtos a serem transportados na Ferrovia são a soja, farelo de soja, milho, fertilizantes, combustíveis e minérios.

Habitação

Ainda em Ilhéus, Carlos Gaguim acompanhou a assinatura de contratos do programa “Minha Casa, Minha Vida” para a construção de 3.125 unidades habitacionais em diversos municípios baianos, beneficiando famílias com renda de até três salários mínimos.

 

Fonte: Secom