Polí­tica

Entre discursos inflamados no plenário da Assembleia Legislativa do Tocantins na manhã desta terça-feira, 27, o que se destacou foi o do presidente da Casa, deputado Júnior Coimbra (PMDB).

Durante sua fala, o deputado lembrou as eleições do ano de 2006, quando durante a campanha eleitoral foram lançados panfletos apócrifos supostamente a mando do ex-senador Eduardo Siqueira Campos (PSDB) intitulados à época de "Kátia Deu”, fazendo trocadilho com o sobrenome da então candidata ao senado Kátia Abreu (DEM).

Com esta lembrança, Coimbra questionou a atual aliança entre Kátia, Siqueira Campos e o senador João Ribeiro (PR), que também fazia parte da coligação União do Tocantins, acusada á época pela senadora de ser a autora dos panfletos.

O deputado afirmou ainda que seria impossível uma aliança estável entre uma mulher e um ex-opositor que fez ataques à sua honra. O presidente fez questão de lembrar ainda que a própria senadora, à época, divulgou o panfleto para fortalecer sua campanha.

Defesa

Logo após as declarações do presidente, as deputadasLuana Ribeiro (PR) e Solange Duailibe (PT) partiram em defesa da senadora Kátia Abreu.

De acordo com a deputada republicana, o regimento da AL não permite que sejam usadas palavras de baixo calão durante os discursos em plenário. A deputada destacou ainda que “é inconcebível, como mulher, como cidadã, permitir a ofensa da senadora”.

Em defesa do nome da senadora, a deputada Solange Duailibe (PT) também ressaltou a importância de se manter um debate político sem ofensas pessoais. Na ocasião, a petista lembrou que o PT, alheio à essas trocas de farpas, corre com sua campanha para o fortalecimento do nome de seu pré-candidato, ex-prefeito de Porto Nacional, Paulo Mourão.