Polí­tica

Foto: Divulgação

As declarações feitas pelo deputado Raimundo Moreira (PSDB) no plenário da Assembleia Legislativa na manhã desta terça-feira, 3, pelas quais acusou políticos adversários de compra de votos na região do Bico do Papagaio, geraram troca de acusações entre os deputados.

O deputado Paulo Roberto Ribeiro (PR), rebatendo as acusações de Moreira, afirmou, em plenário, que a senadora Kátia Abreu (DEM) é quem estaria usando de poder econômico para juntar lideranças em torno da candidatura de seu filho, Irajá Silvestre (DEM). “Ela (Kátia) hoje sai aí, como disso o Moreira, com caixas e caixas de dinheiro para eleger o filho”, completou.

Outra acusação de Paulo Roberto, diz respeito a uma possível invasão de sua base eleitoral pela senadora do DEM. De acordo com o republicano, na sua região, a senadora "está comprando todo mundo”, disse.

Coimbra ironiza

O presidente da Casa de Leis, deputado Junior Coimbra (PMDB) aproveitou o clima de denuncismos para, ironicamente, pedir o apoio dos deputados de oposição no impedimento da compra de votos supostamente promovida pela senadora. “Quero pedir que vossas excelências me ajudem a impedir a senadora Kátia Abreu de comprar votos para o seu filho Irajá Silvestre”, declarou.

O presidente da AL ainda citou o candidato a deputado federal pela coligação “Tocantins Levado a Sério”, Junior Marzola (PSDB) que também estaria perdendo lideranças para o filho da senadora.

Averiguação

O deputado Stálin Bucar (PR) também entrou na discussão sobre compra de votos por políticos de ambas coligações. Bucar afirmou ter conhecimento de candidatos da base governista comprando votos para as eleições deste ano.

O deputado, que é da base de Carlos Gaguim (PMDB), ressaltou contudo que ainda não pretende divulgar nomes, pois estaria recolhendo provas. Bucar afirmou que assim que estiver em posse de todas as provas, pretende apresentá-las à Polícia Federal para averiguação. “Quando tiver provas desta prática, pode ser o maior aliado do governador Carlos Henrique Gagium que eu denunciar”, completou.