Polí­tica

Foto: Divulgação

O ex-vice-governador Raimundo Boi (PP) desistiu nesta segunda-feira, 6, da candidatura a deputado estadual.

Mesmo com o PP na base do governador Carlos Henrique Gaguim (PMDB), Raimundo Boi que chegou a colocar a campanha na rua, fazia campanha na coligação do ex-governador Siqueira Campos (PSDB).

Em uma carta aberta à imprensa e ao povo do Tocantins, o pepista explicou as razões da desistência e argumentou ainda que não concorda com o que chamou de “verdadeiro canibalismo entre companheiros e adversários”.

Confira na íntegra o material encaminhado:

Carta aberta à imprensa e ao eleitor tocantinense
“As circunstâncias entre as quais você vive determinam sua reputação.
A verdade em que você acredita determina seu caráter.
A reputação é o que acham que você é.
Caráter é o que você realmente é...
A reputação é o que você tem quando chega a uma comunidade nova.
O caráter é o que você tem quando vai embora...
A reputação é feita em um momento.
O caráter é construído em uma vida inteira...
A reputação torna você rico ou pobre.
O caráter torna você feliz ou infeliz... A reputação é o que os homens dizem de você junto à sua sepultura
O caráter é o que os anjos dizem de você diante de Deus.”

Arnaldo Jabor

Parafraseando Arnaldo Jabor inicio minhas breves, porém, sinceras palavras, dizendo que...

Sempre fui um homem determinado e desde a minha juventude sonhei com um estado novo, um lugar onde as oportunidades fossem para todos e que cada um pudesse construir seu “novo mundo” um mundo chamado Tocantins.
No meu início de carreira como médico percebi que como agente da saúde poderia mudar a vida de algumas pessoas, mas não a vida de muitos.

Eu sonhava como jovem visionário e apaixonado pela minha terra natal, mudar o destino do povo sofrido do então norte Goiano. Movido por esse ideal iniciei minha vida política como candidato a Deputado Estadual, onde tive o reconhecimento e a felicidade de ter sido o mais votado, me tornando o primeiro Presidente da Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins. Por meio deste mandato, tive a oportunidade de trabalhar muito e realizar também o sonho de muitos companheiros e conterrâneos da pequena e pacata Miracema do Norte, ao me tornar o grande influenciador da decisão de tornar essa ilustre cidade, a primeira capital do jovem estado do Tocantins.

Também como Presidente da assembléia, tive o privilégio de participar da criação e fundação da nossa querida flor do Tocantins, nossa capital Palmas. Com humildade, porém com muita determinação, tive a oportunidade de ser o primeiro Tocantinense a ser governador do nosso tão sonhado estado.

Vivi momentos de muitas alegrias e tristezas, mas também de muitas vitórias, sou um homem realizado. Diante de toda minha história de vida como filho, pai, esposo, médico, irmão e cidadão, não tenho o direito de jogar pela janela todos os ensinamentos acumulados ao longo de minha vida. Aprendi ainda muito jovem que honestidade e respeito ao próximo devem ser à base de uma vida, caráter não se compra, história não se vende, e minha consciência tranqüila ao deitar-me na cama não tem preço.

Hoje, passo por inúmeras dificuldades em prosseguir com minha candidatura, principalmente devido à minha coligação, e uma estrutura financeira modesta, não vejo um horizonte real para viabilizá-la na atual conjuntura.

Sei da importância e do significado deste momento na minha vida, e também na vida de muitas pessoas que fizeram de mim o seu representante, que depositaram na minha pessoa todas as suas esperanças em uma política mais limpa, onde não apenas a ficha seja limpa, mas sim a consciência e os atos. Como Tocantinense apaixonado, não posso compartilhar com o que estou vendo e vivenciando no atual cenário político tocantinense, um verdadeiro canibalismo entre companheiros e adversários, um leilão de lideranças sem a menor preocupação com o principal, que é o eleitor.

Esta fome de poder não pertence a minha índole, não concordo e não quero ser como muitos, ainda prefiro ser apenas um “velho visionário e sonhador”, que acredita que política foi feita para servir o povo e não para servir ao poder. Não sou do tempo das campanhas milionárias, não sei e nem tenho condições de comprar a decisão de alguém, se me escolhessem seria por minha história, minhas propostas e acima de tudo por meu amor ao meu Estado.

Passo por momentos difíceis, minha esposa e companheira de mais de trinta anos está com seu pai em estado muito grave em uma UTI, e sem a Warner minha política não se completa. Tomei uma dura e difícil decisão, decisão essa que consumiu algumas noites de sono, mas como disse, minha consciência não tem preço.

Abandono minha candidatura para me dedicar aos meus pacientes, a minha profissão, aos meus netos que sempre cobram a presença do avô, e principalmente para ajudar minha família que neste momento precisa muito de mim.

Preciso pensar no hoje e no amanhã dos meus companheiros que sempre me deram sustentação política, não tenho por vaidade ou apego ao poder o direito de sacrificar o futuro destes grandes amigos que dedicaram seu tempo e às vezes até recursos em apoio à minha candidatura.

Deixo portando este embate político, agradecendo a todos meus companheiros que ao longo da minha trajetória política acreditaram nas minhas propostas e contribuíram de forma definitiva para a criação e consolidação deste maravilhoso estado.

Palmas 6 de setembro de 2010

Raimundo Boi. Médico, ex-Deputado, ex-vice-governador e ex-governador do Tocantins".