Estado

Foto: Secom

Aconteceu na tarde desta quinta-feira, 9, no Palácio Araguaia, entrevista coletiva com o secretário da Casa Civil, Antônio Lopes Braga Júnior e representantes das entidades responsáveis pelo combate aos incêndios ambientais no Tocantins.

Na ocasião, estiveram presentes, além de Braga Júnior, o coronel do Corpo de Bombeiros, Admivair Silva Borges; o secretário estadual de Segurança Pública, Geraldo Donizette; o comandante da PM, Benvindo Sobrinho; o analista do Ibama, Vâner Gonçalves Lima (representando o superintendente Joaquim Henrique Moura); Inspetor da Guarda Metropolitana, Jocélio Pereira Santose a representante do Naturatins, Fátima Armond.

O secretário Braga Júnior abriu a entrevista afirmando que todas as medidas de combate e prevenção aos focos de incêndio no Estado estão sendo tomadas pelo governo. De acordo com ele, em agosto foi baixado um decreto pelo governador Carlos Gaguim (PMDB) pedindo o apoio do governo federal para sanar o problema do fogo no Estado. “Nós temos buscado todos os recursos para o Estado para o combate e a conscientização das pessoas”, informou.

Medidas de combate ao fogo

Já o coronelAdmivair Borges, do Corpo de Bombeiros destacou que este tem sido um ano atípico por conta das altas temperaturas e forte estiagem pela qual o Tocantins tem passado. Segundo ele, durante todo o ano de 2009, foram registradas 259 ocorrências de focos de calor no Estado. Já no ano de 2010, até o presente momento, já foram 1.161registros de fogo em todo o Tocantins. “A gente já esperava um ano diferente, mas esta diferença já superou nossas expectativas”, completou.

Borges informou que é praticamente nula a possibilidade de estes incêndios terem sido causados exclusivamente por causas naturais. De acordo com ele, se as autoridades fossem mesmo averiguar as causas do fogo, a polícia deveria ser acionada, uma vez que, segundo ele, “queimadas controladas não existem neste período”.

O coronel dos Bombeiros afirmou ainda que já foram conseguidos recursos junto ao governo federal para a contratação e equipamento de mais 200 brigadistas para combate aos focos de incêndio em diversas partes do Tocantins. Ao todo foram alocados R$ 900 mil para a contratação imediata dos novos combatentes do fogo. Segundo Borges, estas contratações emergenciais são reflexo do estado de emergência decretado para o Tocantins. “Se não, poderiam dizer que isto seria uma ação eleitoral”, completou.

Já o representante do Ibama, Vâner Gonçalves, comemorou a contratação dos 200 brigadistas e afirmou que a entidade, juntamente com o Previfogo, irá atuar no sentido de treinar os trabalhadores no combate ao fogo.

Gonçalves informou ainda que, neste momento, as forças vem sendo concentradas mais na região da Ilha do Bananal. De acordo com ele, existem dois helicópteros de captação de água trabalhando na região e que o trabalho, que está sendo feito nos 8 municípios da região, será ampliado para as reservas indígenas da ilha.

Medidas policiais

O secretário de segurança pública, Geraldo Donizette, afirmou que até o momento já foram instaurados diversos inquéritos policiais. Segundo ele, a pena para quem for pego causando queimadas neste período de estiagem é de 2 a 4 anos de reclusão.

O secretário destacou a importância da participação da população na denúncia de infratores, através dos telefonas da Polícia Militar (190), da Polícia Civil (197) e do Corpo de Bombeiros (193). “Já estamos instruindo os delegados para que as delegacias procedam em flagrante contra aqueles que forem pegos causando queimadas”, completou.

Já o coronel da PM, Benvinvo Sobrinho afirmou que pretende colocar policiais à paisana em veículos descaracterizados para conseguir flagrar os infratores dos incêndios. “Em Palmas já iniciamos esta fiscalização e vamos intensificar”, completou.