Estado

Foto: Divulgação

Há cerca de 20 dias, a cidade de Pium, a 124 Km de Palmas, tem passado por grandes dificuldades na distribuição de água para a sua população. Segundo informação do jornalista William Borges, que mora na cidade, as principais causas dos problemas no município, além da forte estiagem que o Estado passa, é a erosão às margens do Córrego Piauzinho (que abastece a cidade) e a defasagem na estrutura da empresa de abastecimento de água no Tocantins, a Saneatins.

De acordo Borges, na cidade, existem famílias sendo obrigadas a viver com uma quantia mínima de água por dia, para suprirem suas mais diversas necessidades. “Tem famílias que são obrigadas a viver com 40, 50 litros de água por dia”, informou.

O jornalista destacou ainda que o problema na distribuição de água na cidade não é recente. Segundo William, em anos anteriores, a falta de água já vinha acontecendo em Pium, só que em proporções menores.

O secretário de administração do município, Antônio Carlos Teixeira, em entrevista ao Conexão Tocantins, fez coro com o jornalista e afirmou que o problema já vem se alastrando por alguns anos. “A Saneatins prometeu o aumento do reservatório de água, mas até agora nada”, completou.

Falta de estrutura

Uma das causas da falta de água na cidade, segundo Borges, seria a falta de estrutura física e humana da Saneatins em Pium. O jornalista destaca que, no município, existem apenas 10 funcionários na agência local. Ele destacou ainda que, partindo do cálculo da taxa básica paga pelos moradores na conta de água, a Saneatins deve arrecadar cerca de R$ 500 mil por ano.

Teixeira, afirmou que representantes da empresa distribuidora de água estiveram na cidade averiguando a situação e sugeriram o racionamento pelo qual a cidade vem passando. De acordo com ele, o racionamento consiste em distribuir água para cada setor da cidade em períodos diferentes. “Eles (representantes da Saneatins) estiveram aqui conosco e segundo eles estavam procurando uma solução”, informou.

O secretário informou ainda que caminhões-pipa estão responsáveis por distribuir a água à população. Teixeira afirmou ainda que, no momento da entrevista a própria prefeitura da cidade estava sem água. “Neste momento estamos sem água. Tem uma caixa d’água do lado de fora que o caminhão vem e enche, para a limpeza do prédio”, completou.

Antônio Carlos, no entanto se mostrou preocupado com o estado em que a cidade se encontra, “se nos próximos 5 dias Deus não nos ajudar, vai faltar água de verdade”, concluiu.