Opinião

A paisagem calcinada do cerrado goiano, em pleno planalto central do país, oferece imagem impressionante. Há meses não chove por aqui, o verde não é mais do que uma recordação longínqua e a vegetação exibe cor acinzentada e tristonha. Mas é chegada a primavera, que se manifesta na florada do ipê que, como por um milagre da natureza, insiste em desafiar a seca e teima em colorir a paisagem com um amarelo escandalosamente belo. Não é paixão de matuto goiano, nem de filho que declaradamente ama a sua terra natal, mas a constatação de que o entardecer do centro-oeste é coisa das mais lindas e a primeira chuva trará de novo o verde para compor um cenário deslumbrante.

Antes que chegasse como a mais bela estação da natureza, a primavera chegou como estado de espírito ao coração dos brasileiros. Estamos vivenciando situações que de há muito não eram experimentadas. Nossa auto-estima foi recuperada e o sentido da nacionalidade e da soberania, os valores resgatados da cidadania, o orgulho de ser brasileiros, a crença no futuro de nosso país, deixaram de ser utopias e vivem entre nós. O Brasil vive a sua primavera.

Faz parte de um passado nada saudoso o lamentar e a decepção, o sentimento de orfandade em relação aos poderes públicos e os governos descomprometidos com as necessidades da população. Nunca houve, jamais, em tempo algum, em toda a nossa história, um governo que estivesse tão comprometido com o povo brasileiro e que dele recebesse um apoio tão maciço, tão decidido e tão consagrador, como o do presidente Lula. Nessa fase dourada da história nacional, existe um governo conectado com o sentimento que brota do coração das massas e das aspirações mais profundas de nossa gente. Talvez seja essa a explicação mais plausível para o sucesso de uma administração que operou transformações estruturais que mudaram o Brasil para muito melhor.

No inverno de FHC e Serra, o salário mínimo era de R$ 200,00. Na primavera de Lula e Dilma ele é de R$ 510,00! O salário mínimo daqueles tempos infames era de US$ 64,00, hoje é de US$ 300,00! Naqueles tempos duros e difíceis, onde o desemprego corroia a estrutural social e a base familiar, os tucanos não conseguiram gerar senão menos de 780 mil empregos em oito longos anos. Em menos de sete anos, o governo do presidente Lula criou as condições econômicas necessárias para que 14 milhões de novas vagas fossem criadas, assinando as carteiras de trabalho dessa imensa legião de trabalhadores brasileiros.

O desemprego assaltava os lares e destruía o país, atingindo quase 11% nos anos do tucanato. Hoje ele é pouco mais de 6% e a cada mês apresenta índices decrescentes, com a criação de milhares de novos empregos em todas as faixas salariais, em todas as profissões, em todas as regiões e Estados. A imagem deprimente das filas de cidadãs e cidadãos em busca das poucas vagas que se ofereciam, virando quarteirões e recordando a insensibilidade social do governo de então, é retrato de um tempo passado que ficou em nossas retinas e memórias, mas não mais faz parte de nossa realidade.

Operou-se uma revolução silenciosa e pacífica, que mudou drasticamente a vida nacional, tirando da linha da pobreza mais de 27 milhões de brasileiros! Hoje são irmãos nossos que ingressaram na classe média, desfrutam de mais qualidade de vida, consomem mais e melhor, tem acesso à saúde e educação e produzem mais. Exercem sua cidadania na plenitude e oferecem ao seu país força e capacidade de trabalho. Repito o número: 27 milhões de brasileiros não são mais pobres e vivem e muito melhor condição que antes. No inverno dos tucanos esse número não chegou aos 2 milhões. Poderiam ter feito tanto quanto Lula fez? Sim e não. Sim por terem as condições políticas para isso, não por não possuírem qualquer sensibilidade social ou compromisso com a grande massa de nosso povo mais sofrido. Além do mais, os tucanos representavam e representam um projeto neo-liberal de poder, enquanto o presidente Lula representa o povo em suas aspirações mais legitimas.

Numa das batalhas mais duras que se trava em nosso país, a do combate à mortalidade infantil, essa chaga que a todos entristece e envergonha, o governo de Lula avançou bastante, trabalhou com afinco e baixou o índice de 27,5 mortes por mil nascimentos do governo de FHC e Serra para 19,3. Ainda é alto se confessarmos nossa verdadeira intenção: levar esse número terrível para perto do zero.

No país dos grandes educadores Anísio Teixeira, Paulo Freire, Darcy Ribeiro e Milton Santos, o governo de Lula e de Dilma foi a primavera na luta contra o analfabetismo: o analfabetismo “absoluto”, o daqueles que não sabem ler e tem entre 15 e 64 anos de idade, caiu dos 12% do governo anterior para menos de 7%. E o analfabetismo chamado “funcional”, aquele onde há incapacidade de entender textos e realizar operações simples, baixou dos anteriores 27% para decrescentes 21%. Mas o que mais impressiona é que os esforços do governo de Lula são impressionantemente maiores do que os de FHC, que descuidou totalmente de tão delicada questão.

O humanismo da gestão petista se manifesta também na questão do saneamento básico. Hoje exatos 90% da população tem acesso à água tratada. Eram só 72% no governo socialmente descomprometido do PSDB. Hoje, as redes de esgoto chegam a 75% dos lares, contra os 68% do governo passado. Parece que houve um avanço pequeno, mas o importante é salientar que nos oito anos do tucanato o avanço foi quase nenhum...

A produção agrícola chega aos 148 milhões de toneladas, um recorde que reafirma nossa vocação agroindustrial e a força do setor como um dos pilares da economia nacional. A melhor das safras no governo anterior são ultrapassou os 120 milhões de toneladas e as estradas esburacadas, as dificuldades de financiamento e a má relação do governo com o homem do campo, impediam a expansão do agro-negócio. No governo Lula a agricultura brasileira vive a melhor fase de todos os tempos e o Brasil descobriu que os recordes devem ser cada vez mais freqüentes e maiores.

Os amigos leitores se lembram do “risco Brasil”, aquele indicador tão usado para aterrorizar o país, para amedrontar os brasileiros? Pois é, com FHC e Serra, ele chegou à enormidade de 2.700 pontos. Eram tempos de desemprego, de visitas humilhantes ao balcão do FMI e de insensibilidade social. Era o inverno de um país desmoralizado. No governo do presidente Lula e de Dilma ele se encolheu de tal forma, perdeu sua força e majestade, que se perdeu nos escaninhos da história e apresenta 200 pontos. Não custa repetir e por extenso: duzentos pontos, tão somente. Vivemos a primavera de um país que se reencontrou consigo mesmo.

Poderia finalizar esse artigo com o eloqüente valor de nossa dívida externa nos tempos do governo passado: US$ 173 bilhões. Mas prefiro finalizar com a atual dívida externa do governo de Lula e Dilma: Zero.

Chegou a primavera, brasileiros. Nos campos, nas cidades, nos corações e no futuro de um dos maiores e melhores países do mundo. O nosso.

(*) Delúbio Soares é professor

Por: Delúbio Soares

Tags: Delúbio Soares, Opinião