Educação

Foto: Rejane Costa

As aulas na rede pública municipal serão mantidas normalmente, nesta quinta-feira, 30, inclusive nas 15 Unidades Educacionais (UE’s), que paralisaram suas atividades seguindo orientação do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Tocantins (Sintet). A Secretaria irá buscar condições para que os alunos possam assistir às aulas, com a contratação de professores substitutos, caso os servidores não retornem as atividades.

De acordo com o secretário da educação, Danilo de Melo, todas as providências serão tomadas para que a comunidade escolar não sofra prejuízo. “As crianças têm o direito a ter continuidade nas aulas no decorrer do ano letivo”, destacou o secretário.

Das 59 UE’s distribuídas no município de Palmas, apenas 15 aderiram à greve de forma total ou parcial, ou seja, apenas 25% dos alunos ficaram sem aula nesta quarta-feira, 29.

Melhorias

As reivindicações dos grevistas incluem questões salariais, dentre elas a reclamação de que os professores ganham menos que os profissionais em outros municípios do Tocantins. Porém o salário inicial do professor PII (nível superior) do Estado é de R$ 2.726,89 e do Município é de R$ 2.363,20, a diferença é de apenas 13,34% e não 25%, como alegam os grevistas. “Vale salientar ainda, as boas condições de trabalho oferecidas na Capital, foram destaque na imprensa nacional, especialmente em se tratando de benefícios oferecidos, investimentos em infraestrutura, entre outros”, Pontua o secretário.

O salário dos professores da rede pública municipal é maior do que os oferecidos em Araguaína e Gurupi. Apenas esse ano o salário do Estado tornou-se melhor que o do Município. “Quando o Prefeito Raul Filho assumiu o governo, a folha da educação era de 28 milhões, agora nós estamos com uma folha de 70 milhões, não porque aumentaram os funcionários, que foram pouco menos de 30%, e sim porque aumentou a massa salarial”, afirmou o Danilo.

Fonte: Assessoria de Imprensa/ Semed