Geral

Foto: Divulgação

A presidente do Tribunal de Justiça do Tocantins, desembargadora Willamara Leila, esclareceu, através de nota encaminhada à imprensa pela sua assessoria na tarde desta terça-feira, os acontecimentos da última semana, nos quais ela, seu vice-presidente, o desembargador Carlos Sousa e o desembargador Liberato Póvoa foram encaminhados para a Polícia Federal para prestar esclarecimentos na operação do Superior Tribunal de Justiça, chamada Maet.

Na nota a desembargadora afirma “que confia plenamente na justiça de Deus e dos homens” e se diz envergonhada “por ser protagonista em um escândalo que nem nos piores pesadelos ousaria imaginar”.

Confira abaixo a nota de esclarecimento da desembargadora na íntegra

Nota de Esclarecimento

A Desembargadora Willamara Leila em profundo e sincero respeito a toda Sociedade do Estado do Tocantins, vem a publico esclarecer o seguinte:

1 - Que desde o fatídico dia 16 de dezembro ultimo, encontra-se recolhida em sua fé em Deus, confiando plenamente em Sua infinita Sabedoria, rezando para que Ele oriente seus passos e indique o caminho a trilhar, de ora em diante;

2 - Que vem recebendo (e do fundo do coração,agradece), de todas as regiões do Estado, manifestações de solidariedade e correntes de oração, o que muito lhe fortalece espiritualmente e lhe da o ânimo necessário, a fim que possa se defender de toda acusação contra si dirigida;

3 - Que confia plenamente na Justiça de Deus e dos Homens; confia em todos os órgãos de imprensa do Estado, entende e respeita o seu dever de informar, e que em nenhum momento se sente magoada, antes, se sente envergonhada, por ser protagonista em um escândalo, que nem nos piores pesadelos ousaria imaginar;

4 - Por fim, que se sente na obrigação moral de pedir desculpas a todos, indistintamente, através desta nota, já que não e possível fazê-lo pessoalmente, e de porta em porta, como gostaria.

Willamara Leila
Desembargadora

Fonte: Assessoria de imprensa TJ/TO