Estado

Foto: Divulgação

A frequência com que os acidentes de tráfego envolvendo motocicletas acontece na região de Colinas do Tocantins está preocupando os peritos do 7º Núcleo Regional de Perícias Criminalísticas da Polícia Técnico-Científica. Segundo os peritos, de janeiro a novembro deste ano, pelo menos 74 motocicletas estiveram envolvidas em um total de 111 perícias realizadas apenas em locais de acidentes de tráfego naquela região. Para se ter uma idéia, em 11 perícias de acidentes realizadas em novembro, 10 motocicletas estiveram envolvidas.

Os dados fazem parte de um relatório realizado pelos peritos, que chamam a atenção, também, para a quantidade de vítimas. Nas 111 perícias realizadas em locais de acidentes de tráfego nos últimos 11 meses, os peritos contabilizaram nada menos que 164 vítimas. Desse total, 30 foram vítimas fatais e 134 com lesões.

Observando os dados por mês, os peritos dizem que em maio se registrou um total de 19 vítimas com lesões e em Julho foram contabilizados um total de nove mortes por acidentes de tráfego.

Para o superintendente da Polícia Técnico-Científica do Estado, José Ivan Farias de Oliveira, como em cada localidade pode haver uma realidade distinta, o relatório respalda a necessidade de um estudo específico e detalhado sobre a gênese de tanta violência. Assim, seria possível constatar se há alguma falha na engenharia de tráfego em pontos onde há maior incidência desses acidentes, ou se há outros fatores, a exemplo do consumo de álcool, que estejam influenciando nos acidentes.

“Temos um projeto para a formação de um grupo de peritos para estudar essas realidades, compreendê-las e transformá-las, pois para nós que trabalhamos lá na ponta, não nos interessa a acomodação nem a mesmice. A prevenção para nós é bem mais importante. O que a sociedade deseja é que esses fatos não se repitam, nem se tornem tão banais”, enfatiza o superintendente.

Os peritos que trabalham no 7º Núcleo Regional de Perícias Criminalísticas da Polícia Técnico-Científica, concordam com a necessidade de um trabalho mais detalhado, mas pela convivência constante com o problema na região, o Perito Chefe do Núcleo, Maurício Santos de Andrade Sousa antecipa que pode estar havendo uma combinação perigosa de imprudência, imperícia de condutores, alguma deficiência na fiscalização e o fenômeno da complacência de pais, haja vista que grande parte dos acidentes envolvem jovens sem a obrigatória habilitação.

O 7º Núcleo Regional de Perícias Criminalísticas da Polícia Técnico-Científica abrange, além de Colinas, outros oito municípios, mas na região em que atuam, os peritos asseguram que apenas Palmeirante e Tupiratins, também registraram dois acidentes fatais, cada. A preocupação maior, realmente é Colinas, garantem.