Polí­tica

Foto: Elizeu Oliveira

Peritos Criminais Oficiais do Estado do Tocantins se reuniram nesta segunda-feira, 18, com o candidato a governador, da Coligação a Experiência faz a Mudança, Marcelo Miranda (PMDB), em sua residência em Palmas, para hipotecar apoio à sua candidatura e denunciar situações graves que a categoria tem vivido.

“A Polícia Técnico-Científica do Tocantins está em processo de desconstrução, desde a saída do senhor (Marcelo Miranda) do governo do Estado. Não temos equipamentos adequados e necessários para atuarmos em nossas investigações e há mais de três anos, não realizamos exames de DNA por absoluta falta de condições de trabalho”, denunciou Gledston Vaz Vespúcio, presidente do Sindicato dos Peritos Criminais Oficiais do Estado do Tocantins.

Os peritos criminais denunciaram ainda que o Tocantins é o único estado brasileiro que não tem apoio científico para a execução da lei Maria da Penha. “O departamento de Sexologia Forense, implantado no governo do Senhor (Marcelo Miranda) foi desmontado e inutilizado por este governo que aí está,  e assim, não podemos realizar exames técnicos de apuração de estupro e maus tratos contra as mulheres”, informou Gledston Vespúcio.

Além da redução da estrutura de superintendência para departamento, os peritos da Polícia Técnico-Científica afirmam que mais de R$ 40 milhões, oriundos do Governo Federal, foram perdidos por absoluta falta de gestão.

"Perdemos esses recursos tão necessários, por falta de interesse e de gestão deste governo, por ausência de projetos e porque simplesmente não quiseram utilizar os recursos porque muitas das políticas públicas foram implantadas na gestão de Marcelo Miranda”, acrescentou o presidente do Sindicato dos Peritos.

Recuperação

Quase atônito, diante de tantas denuncias preocupantes, o próximo governador, Marcelo Miranda, assegurou aos peritos: “vamos recuperar o tempo perdido e o trabalho que não pode ser realizado na nossa ausência.  A Segurança Pública é um setor tão sucateado quanto a Saúde e nestas áreas vamos agir com a urgência que é demandada para por a casa em ordem e atender à  população, que definitivamente não merece mais esse sofrimento todo”, conclui Marcelo Miranda.