Estado

Foto: Divulgação

O Pleno do Tribunal de Justiça elegeu durante sessão na tarde desta quinta-feira, 3, a nova corregedora-geral de Justiça do Tocantins, três juízes que vão compor a Corte interinamente e definiu ainda os integrantes de algumas comissões da instituição. A desembargadora Ângela Maria Prudente foi eleita por unanimidade para dirigir a Corregedoria do Judiciário tocantinense. "É uma responsabilidade grande e sei que vou receber um legado positivo do desembargador Bernardino Luz", disse a magistrada, ao retribuir os cumprimentos do corregedor que deixa o cargo.

Ângela Prudente também recebeu congratulações da presidente do Tribunal, desembargadora Jacqueline Adorno. "Tenho certeza que irá desenvolver um grande trabalho, pois trata-se de uma pessoa equilibrada e que desempenhou excelente trabalho em entidade classista", disse se referindo a sua gestão à frente da Associação de Magistrados do Estado do Tocantins (Asmeto).

Natural de Goiânia, Ângela Prudente tomou posse como juíza em 1989 e atuou nas comarcas de Miranorte, Araguaína, Augustinópolis, Arraias e Paraíso do Tocantins. Foi titular da Vara de Precatórias, Falências e Concordatas e, antes de assumir a função de desembargadora em dezembro último, atuou como diretora do Fórum de Palmas. Após tomar posse e fazer o juramento, Ângela Prudente indicou Flávia Asini Bovo como juíza-auxiliar da Corregedoria, nome também aprovado pelo Pleno.

Substitutos
Ainda na tarde desta quinta-feira, o Tribunal de Justiça definiu os três juízes que vão compor o Pleno. A juíza Adelina Maria Gurak substituirá o desembargador Carlos Souza. Nascida em Rio Claro do Sul (PR), e desde 1989 na magistratura tocantinense, entre outras comarcas, foi juíza substituta em Alvorada do Tocantins e depois titular em Araguacema e Miranorte, além de ter respondido pela Vara da Fazenda Pública de Palmas. Atuou ainda como juíza eleitoral de 2004 a 2006 em Palmas.

Foi escolhida a juíza Célia Regina Régis Ribeiro para substituir o desembargador Liberato Póva. Nascida em Monte Alegre de Goiás (GO), que começou na magistratura tocantinense em 1989, como substituta de Filadélfia. Em 1993, foi designada como titular em Ponte Alta do Tocantins, tendo respondido pela comarca de Taguatinga e pela Vara de Família e Sucessões de Palmas. A magistrada foi juíza-corregedora na gestão 2009/2011 e juíza eleitoral em 1992, quando presidiu o pleito para prefeito da capital no biênio 2006/2008 também em Palmas.

Já o juiz Helvécio de Brito Maia Neto foi escolhido como substituto da desembargadora Willamara Leila. Ex-delegado de polícia, o magistrado ingressou no Judiciário do Tocantins no ano de 1993 como juiz substituto de Araguacema. Em 1994, foi titular na Comarca de Araguatins e respondeu ainda por Colinas e Paraíso. Em 1999 assumiu o Juizado Especial Agrário e Meio Ambiente, que em 2002 se transformou na 3a. Vara dos Feitos da Fazenda e Registros Públicos. Ele Presidiu a Asmeto em duas gestões, entre 2000 e 2004.

Comissões

Também foram eleitos os membros de algumas comissões que deliberam acerca da organização do Judiciário. Para integrar a Comissão de Regimento e Organização Judiciária foram escolhidos os Desembargadores Moura Filho, Luiz Gadotti, Marco Villas Boas e Bernardino Lima Luz (suplente). Na Comissão de Seleção e Treinamento, a Corte elegeu os Desembargadores Moura Filho, Daniel Negri e Luiz Gadotti. Já Comissão de Jurisprudência será composta pelos Desembargadores Amado Cilton, Marco Antoni, Bernardino Lima Luz e Luiz Gadotti (suplente).

Fonte: Assessoria de Comunicação do TJTO