Polí­tica

Foto: Divulgação

O Dia Internacional da Mulher, celebrado oficialmente em 8 de março, foi comemorado ontem em sessão solene do Congresso Nacional. A deputada federal professora Dorinha Seabra Rezende (DEM/TO) participou da solenidade e falou que a ampliação das conquistas femininas depende de melhorias na educação.

A deputada defendeu um piso salarial digno para os professores, pois, segundo ela, esse é caminho atrair jovens talentosos para a profissão, homens ou mulheres. “A independência feminina não é uma concessão masculina”, disse a parlamentar tocantinense.

Em seu discurso Dorinha ressaltou as conquistas da mulher ao longo dos últimos anos e o reconhecimento da sociedade brasileira à competência feminina em cargos importantes. “Temos pela primeira vez uma mulher no comando do País. Elegemos, também pela primeira vez, uma mulher para a mesa diretora da Câmara dos Deputados. Os avanços são inegáveis, mais ainda há uma diferença enorme nos salários pagos a mulheres e homens que ocupam o mesmo cargo”, disse a deputada, mencionando um estudo realizado pelo ministério do trabalho onde revela que as mulheres recebem a mulher ganha 25% a menos do que o homem na média em todos os níveis de escolaridade, segundo dados do ministério do trabalho.

Homenagens

Ainda durante a solenidade foram premiadas as cinco vencedoras do Diploma Mulher Cidadã Bertha Lutz, concedido a personalidades que se destacaram na luta pelos direitos das mulheres: Maria Liége Santos, Chloris Casagrande, Maria José da Silva, Maria Ruth Barreto, Carmen Helena Foro e Ana Maria Pacheco de Vasconcelos.

Logo no começo da sessão, o Coral do Senado interpretou três canções: Coisa Mais Bonita, de Vinicius de Moraes e Carlos Lyra; Paz do Meu Amor, de Luiz Vieira; e Se Todos Fossem Iguais a Você, de Tom Jobim e Vinicius de Moraes. Na sequência, Sarney convidou todos a cantar Maria, Maria, de Milton Nascimento.

Fonte: Assessoria de Imprensa Dorinha Seabra