Campo

Foto: Joatan Silva

Os entraves com a venda de frango vivo e as dificuldades em aprovar recursos junto às instituições financeiras, foram alguns dos assuntos tratados em reunião na Secretaria Estadual da Agricultura, da Pecuária e do Desenvolvimento Agrário (Seagro), na manhã desta quinta-feira, dia 25. Os problemas foram apresentados pelo presidente da empresa Asa Norte Alimentos, Aroldo Amorim Filho, acompanhado do diretor financeiro da empresa, Paulo Oliveira, ao secretário da Agricultura, da Pecuária e do Desenvolvimento Agrário, Jaime Café, e ao secretário executivo, Ruiter Padua.

De acordo com Aroldo, para funcionar com sua capacidade máxima, após a ampliação do projeto, serão necessários seis milhões de frangos por mês. Atualmente, a empresa comercializa 300 mil frangos vivos por semana para o Estado do Pará e a capacidade de abate é de 3 milhões de aves por ciclo produtivo. “Considerando todo o projeto, são necessárias 312 granjas para atender o mercado consumidor interno e externo”, informou Aroldo, ressaltando que essa produção é somente no frigorífico de Aguiarnópolis, que gerará 500 empregos diretos e 2,5 mil indiretos.

Segundo o secretário executivo, Ruiter Padua, para atender a demanda da Asa Norte Alimentos, são necessários 180mil sacos de 60 quilos de milho por mês e 10 mil toneladas de soja, também por mês, para a alimentação das aves. “Na próxima terça-feira, vamos participar de uma reunião com o Banco da Amazônia e vamos questionar o que está faltando para aprovação do projeto, o porquê da demora, pois é nosso interesse apoiar o desenvolvimento da cadeia”, prometeu.

O secretário Jaime Café também destacou a importância da implementação do empreendimento para a geração de emprego e renda na região do Bico do Papagaio. “O Estado quer saber o que está acontecendo? O problema é operacional, falta vontade de fazer acontecer? Precisamos descobrir e ajudar, pois queremos ver o Tocantins crescer”, considerou Café.

Dentro do projeto de ampliação do frigorífico consta também a instalação de uma granja de recria, na cidade de Wanderlândia. (Ascom Seagro)