Opinião

Foto: Divulgação Felício Costa é coordenador do MTST Felício Costa é coordenador do MTST

A coordenação do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto MTST-TO, é contra a expansão urbana do Plano Diretor de Palmas. Temos uma cidade bastante extensa de norte a sul e um vazio urbano enorme. Isso faz com que aumente os gastos públicos com a manutenção da mesma. Esses vazios não contribui para melhoria da qualidade vida das pessoas, é comum ver lixos jogados a céu aberto, resíduos de construção civil, sacolas plásticas, embalagem tetrapak, garrafas pet, isso vai de desencontro a uma das principais exigência do Plano Diretor que é uma cidade ambientalmente sustentável.

Existem dezenas de quadras desocupadas e sem função social, já com infraestrutura básica, que podem ser habitadas por milhares de famílias sem teto que moram hoje de aluguel ou de favor, no entanto a única função que tem é a especulação imobiliária.

Somos defensores da moradia digna, que não é apenas um teto. Essa moradia tem que ter infraestrutura como: saneamento básico, asfalto, transporte coletivo de qualidade e tarifas com preços justos, escolas públicas e gratuitas, saúde, lazer e segurança. No entanto a proposta de expansão do Plano Diretor não dá essa dignidade, imagine o transpote coletivo que teve a tarifa reajustada há pouco e que causou grande indignação da população. Agora, com essa possível expansão, terá que ser reajustada novamente, por que a cidade crescerá não em população mas em território urbano. O ônibus terá que atender a mesma população, mas tendo que rodar muito mais, gastar mais combustível e mais recursos com o desgaste mecânicos dos veiculos. Tudo isso quem irá pagar é o usuário do transporte público.

Favorecidos

O que o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto observa é que tem lobo na pele de cordeiro, tem gente que pretende se beneficiar com a expansão do Plano Diretor e para isso pregam demagogicamente que a expansão é necessário. Os únicos beneficiados com essa situação serão apenas meia dúzia de pessoas influentes como: políticos e empresários que são detentores de imóveis rurais que se tornarão urbano e se beneficiarão com a valorizaçao financeira e para isso usam a tribuna ou a imprensa para tentar convencer a população.

Prejudicados

O MTST pede que a sociedade participe das audiêcias públicas e que ajude a construir de forma que não fique prejudicada, pois a proposta é que, com a expansão do Plano Diretor os terrenos ficariam mais baratos, isso pode até acontecer, porém, não resolveria o problema isso iria apenas favorecer ainda mais a especulação imobiliária. Por isso o MTST que está ao lado povo na luta pela reforma urbana defende o atual Plano Diretor da cidade e a ocupação desses vazios urbanos e que se transforme em zeis para beneficiar de fato quem precisa.

Felício Costa (Coordenador do MTST)