Polí­tica

Foto: Divulgação

Em entrevista ao Conexão Tocantins na tarde desta terça-feira, 4, o secretário municipal da Saúde, Samuel Bonilha, confirmou que recebeu o convite do presidente regional do PT, Donizeti Nogueira, para compor a legenda nas eleições do ano que vem. No entanto, por sua história dentro do PMDB, Bonilha não aceitou o convite depois da reunião com Nogueira.

Esta, inclusive, não é a primeira investida que o PT faz para cima de Bonilha. O secretário informou que em 2008, logo após a reeleição de Raul Filho (PT) à Prefeitura de Palmas, Donizeti já o havia procurado e feito uma primeira proposta de ingresso no Partido dos Trabalhadores. No entanto, por conta de sua longa ligação com o PMDB desde 1990, o secretário já havia recusado o convite. “Eu sou do PMDB há muito tempo. Meu sogro é um dos membros históricos do partido”, disse se referindo ao ex-deputado federal Derval de Paiva.

Ainda sobre sua longa trajetória no PMDB, o secretário também destacou que não se sentiria confortável em outra legenda. De acordo com ele, se saísse do PMDB, sigla com quem tem muita identificação, somente pela possibilidade de assumir uma candidatura por outro partido, uma importante ligação ideológica seria perdida. “Você não vai ter a identidade com aquele partido”, explicou.

Candidatura do PMDB

Quando questionado se tentaria concorrer a uma vaga nas eleições à Prefeitura de Palmas no ano que vem, Bonilha foi incisivo ao frisar que o PMDB já possui um candidato próprio. “Nosso candidato, de consenso do partido é o deputado Eli Borges”, disse.

O secretário ainda salientou que qualquer afirmativa contrária à indicação do partido, nesse momento, só serviria para gerar um mal-estar desnecessário dentro dos quadros do PMDB. “Nunca houve nenhuma decisão de minha parte para que eu concorresse com o Eli. Amanhã, ou depois, se houver apelo popular e se eu tiver o apoio do meu partido, não me furtarei de ir para a batalha”, disse.

Contudo, uma fonte ligada ao PT, informou ao Conexão Tocantins que, o nome de Bonilha é um consenso dentro do Partido dos Trabalhadores mesmo não tendo aceitado o convite do presidente Donizeti Nogueira e que ele teria o apoio da legenda, caso sua candidatura fosse concretizada. O nome de Bonilha, segundo informações, é um ponto agregador dentro das diversas tendências do PT, o que facilitaria uma unidade dentro do partido. Mesmo sendo do PMDB.