Polí­tica

Foto: Divulgação

A deputada estadual Luana Ribeiro (PR-TO), filha do senador João Ribeiro (PR-TO), que pretende disputar a prefeitura de Palmas concedeu entrevista à revista Época. Seu partido aposta alto em seu nome. Tanto que abandonou a aliança com o atual governador do Tocantins, Siqueira Campos (PSDB), que apoiará outro candidato, para bancar a candidatura de Luana.

Agora, ela busca apoio junto ao PT do prefeito Raul Filho e de seus partidos aliados. “Assumimos uma posição de independência. Tenho que buscar apoio onde há espaço, e neste momento encontro abertura na oposição”, disse, em entrevista ao jornalista Marcelo Osakabe.

Veja trecho da entrevista na íntegra:

Com quem a senhora pretende se aliar? Tenho mantido conversas com PRTB e PTN, além dos partidos que fazem oposição ao governo do estado, PT, PMDB, PCdoB e PTB, entre outros.

O DEM também a procurou? Sim, os democratas sinalizaram que querem conversar com a gente. Quanto mais partidos, melhor.

Não causa estranhamento o seu partido senhora ter deixado a base do governador Siqueira Campos para tentar uma aliança com o prefeito Raul Filho, em Palmas? Não fazemos oposição ao governo do estado. Assumimos uma posição de independência. Quero lembrar que o senador João Ribeiro, a maior liderança do partido no estado, é bastante ligado ao governo federal, e recebeu inclusive o apoio do PT na última eleição.

Fala-se de uma candidatura que é ao mesmo tempo de governo e de oposição. Isto não existe. Sigo meus ideais, o que é bom para o povo eu aprovo. O que é ruim eu reprovo. Tenho que buscar apoio onde há espaço, e neste momento encontro abertura na oposição. Meu lado é o lado do povo.

Como avalia a gestão do atual prefeito? Raul Filho fez um trabalho muito importante na educação. Hoje todas as escolas municipais funcionam em tempo integral, ainda que algumas mantenham estrutura de escola padrão.

O que faltou fazer? Palmas, assim como todos os municípios tocantinenses, sofreu muito com a diminuição do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). A população ainda pede uma maternidade na região sul e precisa de obras de drenagem das chuvas. Por outro lado, temos crescido bastante no setor de transportes, dada a nossa posição privilegiada no território nacional. A chegada da Ferrovia Norte-Sul trouxe grandes empresas, e em breve teremos um aeroporto de cargas. Precisamos explorar nosso potencial turístico na capital, que inclui não apenas turismo de evento e negócios, mas também o ecoturismo. Queremos depender menos do poder público para criar postos de trabalho.

Como resolver tudo isso? Estamos preparando uma proposta para ser discutida com a sociedade. Algumas reivindicações são mais urgentes, como saúde, maior geração de emprego, mais investimento em infra-estrutura urbana e nas vias de acesso à zona rural da cidade. No transporte, talvez a solução mais viável seja o BRT (Bus Rapid Transit). Queremos um programa que case os anseios da população com as possibilidades da prefeitura.