Polí­cia

Foto: Divulgação

O presidente da Associação dos Cabos e Soldados do Estado (ACS-TO), cabo Geovane Alves dos Santos, e o presidente da Associação dos Policias e Bombeiros Militares do Estado (ASPBMETO), major Luís Chaves do Vale foram soltos na manhã desta terça-feira, 8, após o juiz e presidente do Conselho da Justiça Militar do Tocantins, José Ribamar, conceder liberdade provisória.

A informação foi confirmada ao Conexão Tocantins pelo advogado dos militares Joziran Bezerra. O assessor jurídico das Associações, Jean Charles também foi beneficiado com a liberdade provisória. Mesmo com a medida, o inquérito militar contra os presidentes continua.

Foram 20 dias presos após leitura de nota das Associações no plenário da Assembleia Legislativa onde os militares afirmaram que os deputados que votasse contra os interesses da categoria nos projetos de modernização da PM seriam considerados personas non gratas na corporação. Geovane estava no 6º Batalhão e Chaves do Quartel do Comando Geral.

Chaves e Geovane alegaram que foram mal interpretados na nota e negam qualquer intenção de ameaçar os deputados estaduais. Neste final de semana o deputado do PT, José Roberto Forzani visitou os militares e frisou que a prisão deles foi injusta. A prisão foi decretada pelo comandante geral Marielton dos Santos.