Estado

Foto: Divulgação
  • Bernardete Ferreira é coordenadora da Casa Oito de Março

Marcada para ser realizada no próximo dia 12, a Marcha das Vadias chega a Palmas na tentativa de conscientizar a população em torno do combate e prevenção à violência contra a mulher. Este ano será a será a segunda edição do movimento que tem como principal organizador a ONG Casa Oito de Março.

De acordo com uma das coordenadoras da ONG, Bernadete Ferreira, a expectativa para este ano é pela participação de todos os segmentos da sociedade, em especial das mulheres de programa, donas de casa, empregadas domésticas, estudantes, todas que sofrem ou sofreram algum tipo de violência. “Queremos conscientizar as mulheres que não se conformam com a violência, com os maus tratos, com a corrupção. Será a oportunidade de dar voz a estas pessoas”, salientou.

A Marcha tem o nome em menção a um fato ocorrido no congresso canadense, quando um parlamentar culpou as próprias mulheres pela violência que sofriam. “Este congressista disse que se as mulheres não se vestissem como vadias, não seriam violentadas”, explicou Bernadete. Neste ano o movimento chega a sua segunda edição no Tocantins. Em 2011 a Marcha das Vadias foi realizada com outro nome, conforme explica a representante da Casa oito de Março. “No ano passado, realizamos a marcha com o nome Marcha da Liberdade, também para congregar outros movimentos. Mas neste ano decidimos adotar o nome oficial”, disse.

Em 2011, o público participante da Marcha das Vadias não foi tão grande no Tocantins, como em outros Estados. Para este ano, segundo Bernadete, a meta não é simplesmente a quantidade de pessoas, mas a conscientização de uma causa que precisa ser debatida e levada a toda a sociedade. “Não temos dinheiro para o movimento, então, as pessoas que querem participar vão ter que confeccionar seus cartazes, vão precisar bancar sua ida para a marcha. Mas o importante é a conscientização para a causa”, completou.

Por que vadias?

Em janeiro do ano passado na Universidade de Toronto, no Canadá, os índices de abuso contra as mulheres aumentaram. Diante desta situação um policial mencionou que "as mulheres evitassem se vestirem como vadias, para não serem vítimas". Então surgiu a Marcha das Vadias, evento que leva milhares de mulheres as ruas protestarem contra o abuso sexual e igualdade de gênero.

Link do Mapa:http://mapadaviolencia.org.br/pdf2012/mapa2012_mulher.pdf