Polí­tica

Foto: Divulgação

Investir em clínicas públicas e em atividades preventivas para combater a propagação do consumo de drogas, em especial o crack. Essas são algumas das ações anunciadas pelo candidato a prefeito de Palmas, Carlos Amastha (PP) para enfrentar este problema que tem dizimado milhares de famílias tocantinenses. O tema é a principal preocupação dos moradores da região Sul da Capital, apresentadas durante encontros realizados nesta terça-feira, 14, no Jardim Aureny IV e setor Santa Fé.

O candidato do PP afirmou que pretende assumir postura firme no sentido de garantir que os jovens não fiquem á disposição dos traficantes. “Vamos manter os convênios das entidades existentes, investir em clínicas públicas, apoiar as entidades sérias que realizam esse trabalho e manter os jovens ocupados fortalecendo os movimentos culturais, como as quadrilhas, hip hop, além de oferecer cursos e incentivar a prática esportiva”, pontuou.

Amastha ainda destacou a necessidade de implantar ações integradas para solucionar o problema. “Temos vontade política para enfrentar o problema e para isso vamos buscar parcerias para que mais recursos sejam destinados ao combate e assistência ao dependente e assim, assegurar à sociedade que esse tipo de problema é possível de ser solucionado”.

Para Maria da Silva Alves, moradora do setor Santa Fé, o assunto causa preocupação na região. “A gente vê meninos novos nas ruas usando drogas, sofrendo com isso. Muitos querem tratamento, mas não tem condições de pagar”, afirmou. E completou: “Existe a necessidade de atividades para o público. Aqui não existe nenhuma atividade esportiva, não tem praça, não tem nenhuma alternativa saudável, aí eles (as crianças) acabam caindo nas drogas por que não tem nenhum apoio”.

O assunto também preocupa a dona de casa Silvania Pereira da Silva. “O consumo de drogas está aí pra todo mundo ver nas nossas ruas. O pior é que nossos filhos crescem vendo essa situação. Precisamos de uma ação urgente para acabar com isso, por que é um problema que destrói muitas famílias”.

Dados

Segundo dados da Polícia Militar, de janeiro a julho, Palmas registrou 102 ocorrências envolvendo entorpecentes, sendo seis apreensões de menores infratores, 83 prisões em flagrante por tráfico de drogas e 13 Termos Circunstanciado de Ocorrência (TCO).

Uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Municípios em 2011, com sondagem em 4.400 cidades, indica que o crack está relacionado a problemas de saúde em 63,7% das prefeituras brasileiras. A droga também está ligada a demandas na segurança pública em 58,5% das cidades e na assistência social em 44,6% e o que é mais alarmante, a pesquisa aponta que 98% dos municípios brasileiros registravam a presença do crack nas suas ruas. (Ascom Amastha)