Saúde

Foto: Marcos Vinícius

O secretário da Saúde de Palmas, Samuel Bonilha, e técnicos de Vigilância Ambiental se reúnem nesta terça-feira, 18 de setembro, às 14 horas, no auditório do Paço Municipal, para discutir com autoridades municipais e parceiros do Comitê Municipal de Mobilização Social de Combate à Dengue estratégias de enfretamento da dengue na temporada de chuvas esperada para os próximos meses.

Na pauta da reunião está prevista as apresentações dos relatórios de ações de combate e prevenção à dengue desenvolvidas setorialmente na Capital e dos resultados das ações desenvolvidas pelas entidades públicas e privadas parceiras do Comitê em Palmas.

Período seco
Segundo dados do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), no mês de agosto, o índice de infestação predial médio de Palmas alcançou 0,2%, bem abaixo da margem tolerada pelo Ministério da Saúde (MS) de até 1%.  Ainda segundo os relatórios de inspeção do CCZ, o índice se refere a focos da dengue encontrados em ralos e piscinas não-tratadas de imóveis com responsáveis.

Apesar do índice de infestação estar baixo, o biólogo do CCZ, Ronaldo Oliveira, reforça o aviso de que a população mantenha-se vigilante e tenha o cuidado necessário para que seus imóveis permaneçam sem abrigo para o mosquito da dengue no período das chuvas. Com a vedação de ralos e sanitários inutilizados, retirada de objetos que possam acumular água dos quintais, limpeza de folhas e outros materias das calhas para evitar água parada e impedir a continuidade do ciclo de reprodução do Aedes aegypti.

Parceiros

Além da Secretaria da Saúde de Palmas (Semus), dos técnicos de Vigilância Ambiental  e Vigilância Sanitária (Visa/Palmas), participam do Comitê representantes parceiros da Secretaria Estadual da Saúde (Sesau), Secretaria Municipal de Educação (Semed), Divisão Ambiental da Guarda Metropolitana, do Serviço Social da Indústria (Sesi), Sinduscon, ACIPA, Fundação Nacional de Saúde (FUNASA), Associações de Moradores, Guarda Metropolitana, Conselho Municipal de Saúde (CMS),  dentre outros.

As reuniões acontecem mensalmente, dirigidas pelos técnicos da Semus, e estão abertas à participação de associações de moradores, organizações não-governamentais, demais representantes da sociedade civil e população em geral. (Ascom Semus)