Polí­tica

Foto: Divulgação

Durante a sessão da manhã desta quarta-feira, 31, na Assembleia Legislativa do Tocantins, um requerimento de autoria do deputado Toinho Andrade (PSD) gerou constrangimento entre os deputados. No requerimento, o deputado solicitou uma moção de aplauso à candidata à Prefeitura de Colinas do Tocantins, Maria Helena Defari das Dores (PSD). 

Em seu requerimento, o deputado parabenizou a candidata por sua “eleição” como prefeita do município. O pleito municipal, no entanto, ainda está longe de ser resolvido, pois a candidatura do prefeito José Santana Neto (PT), eleito pela maioria dos votos, ainda está sendo julgada pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

O primeiro a se manifestar contra o requerimento de Toinho foi o petista José Roberto Forzani, que pediu a retirada de seu voto favorável, acompanhado pela deputada Amália Santana (PT), irmã de José Santana.

Na sequência, o deputado José Bonifácio (PR), ex-líder de governo, considerou a ação contra o prefeito de Colinas abusiva e criticou a postura do TRE. “Eu não a considero prefeita eleita e acho uma sacanagem política eleitoral o que estão fazendo com o Santana. O que estão fazendo no TRE é uma ignorância sem tamanho”, atacou.

Da mesma forma, o deputado Sargento Aragão (PPS) se posicionou contra a moção de aplauso apresentada pelo parlamentar do PSD. “O prefeito Santana teve mais de 50% dos votos. Mesmo se ele for cassado, vão ser feitas novas eleições em Colinas. Como vamos aprovar um requerimento deste jeito?”, questionou.

Depois das efusivas manifestações contrárias a seu requerimento, o autor da matéria, deputado Toinho Andrade, retirou sua solicitação e culpou sua assessoria pelo equívoco. “A solicitação foi um erro da nossa assessoria. Eu tenho humildade para reconhecer e retirar a matéria e aguardar até que a justiça se manifeste com relação à eleição em Colinas”, completou.

Entenda

O prefeito de Colinas, José Santana, foi condenado pela justiça por pintar prédios públicos e distribuir uniformes aos funcionários da prefeitura na cor vermelha, que representa o PT, seu partido. Depois de um grande imbróglio judicial, o prefeito conseguiu liminar garantindo sua candidatura à reeleição.

Passado o pleito, Santana recebeu maioria dos votos na cidade, mas como sua candidatura ainda é questionada na justiça, o Tribunal Superior Eleitoral, através de seu site, considerou os votos a ele nulos e deu a eleição como ganha à Maria Helena, correligionária do deputado autor do requerimento.