Polí­tica

Foto: Divulgação

Em seu discurso na cerimônia de diplomação na tarde desta segunda-feira, 17, o prefeito eleito de Palmas, Carlos Amastha (PP) falou sobre a trajetória política e sua campanha que o levou à vitória na eleição de outubro.  “Mas vale as reflexões que posso fazer deste pleito e o que eu aprendi”, começou dizendo o pepista. “A eleição terminou, está na hora de todos pensarmos na cidade”, pontuou Amastha.

Se dirigindo aos vereadores, Amastha disse: “Não temos o direito de errar. Temos a obrigação de construir uma sociedade cada vez mais justa e inclusiva para todos os palmenses que vivem neste lugar”, salientou.

Amastha frisou que não está na política por aventura e que não vê Palmas como uma escada para uma trajetória de poder. “A mensagem das urnas foi muito clara pelo tamanho da renovação que viveu a cidade”, disse, afirmando que Palmas precisa estar num nível superior de desenvolvimento. Entretanto o prefeito afirmou que “os desafios não são tão grandes numa cidade que está com apenas 23 anos”, frisou.

O prefeito eleito ainda disse que toda unanimidade é burra e que acha necessário a oposição na Câmara de Palmas para que haja um debate de ideias. Falando da campanha, Amastha disse que o eleitor deu uma resposta à altura do que esperavam.

O prefeito eleito parabenizou a justiça eleitoral pelo trabalho na campanha. O pepista lembrou da Ação de Investigação Judicial Eleitoral que entrou contra o deputado Marcelo Lelis alegando compra de votos e disse que teve a iniciativa para evitar que a democracia não seja respeitada. “Para que em 2014 tenhamos um processo que seja um orgulho para o Brasil e para o mundo”, justificou.

O prefeito eleito disse que fará a diferença. “ Temos que acertar e acertar muito porque o Brasil está de olho no que acontece em Palmas”, salientou o prefeito.