Estado

De acordo com o levantamento da Controladoria Geral do Estado do Tocantins - CGE, o Portal da Transparência registrou aproximadamente 129 mil acessos ao longo deste ano 2012, conforme relatório elaborado pelo órgão.

Os acessos ocorreram, segundo a CGE, após a reformulação e aperfeiçoamento diário do portal realizado pela pasta ao longo do ano, com intuito de garantir que o site esteja de acordo com as exigências. Atualmente o portal conta com um total de 164.837 acessos desde que foi criado, em maio de 2010. Destaque para os números de acesso ao portal no dia da disponibilização dos dados remuneratórios dos servidores do Poder Executivo Estadual, que atingiram a marca de aproximadamente 6 mil acessos.

Os números são considerados positivos e contribuíram para que o Tocantins fosse apontado como o segundo Estado mais transparente da Região Norte, de acordo com o ranking divulgado em novembro pela Associação Contas Abertas. O índice avaliou os portais de transparência da União e dos governos estaduais, com notas de zero a dez. No levantamento, o Estado apareceu com a nota 5,35 – atrás apenas de Rondônia com 7,13 - posição que o colocou em 2º lugar em nível regional e 15º em âmbito nacional, ficando logo atrás de Paraná e Distrito Federal, ambos com nota (5,58) e uma posição à frente de Goiás (5,11).

Para o secretário-chefe da CGE, José Pedro Leite, esta realidade reflete que a população, cada vez mais vigilante, está usando o seu direito de fiscalizar e acompanhar as decisões de governo e as execuções de suas ações. “A população está cada dia mais participativa e não há dúvidas quanto a isto. Basta avaliar os números de acessos ao portal, que mostram o crescimento gradativo do interesse da sociedade”, argumenta o secretário.

Ainda de acordo com José Pedro Leite, os indicadores além de constatarem a maior participação da sociedade ressaltam a responsabilidade da CGE em lidar com as informações de interesse público. “À medida que cresce o interesse do cidadão, aumenta nossa preocupação em garantir que as informações sejam prestadas com agilidade, transparência e qualidade, como determina a legislação”, pontua. (Da redação com informações Ascom CGE)