Palmas

Foto: Walter Gama

O ouvidor geral de Palmas, jornalista Lailton Costa divulgou nesta quinta-feira, 14, um balanço do trabalho do órgão no mês de janeiro.O documento detalha a estrutura e funcionamento da ouvidoria além de listar as principais demandas por áreas de serviço. O órgão atende a população presencialmente e também por e-mail e se propõe a ser o canal entre a gestão e a comunidade.

De acordo com o balanço, foram 56 manifestações de moradores sendo apenas duas feitas diretamente no órgão.66% das demandas foram reclamações por prestação de serviços municipais, 18% foram pedidos de informações e 11% sugestões. A ouvidoria recebeu também duas denúncias que se referem à gestão de pessoal.

Uma denúncia feita pessoalmente no órgão trata de uma possível atuação ilegal por parte de um servidor e a outra se refere a desvio de funções de alguns agentes de trânsito.

A pasta da Infraestrutura lidera o ranking das demandas  e representa 30% das ocorrências relacionadas à falta de limpeza pública, buracos, coleta de lixo dentre outros problemas. As pastas da Educação e Finanças figuram em segundo lugar nas demandas. Com 16% a falta de limpeza lidera as reclamações dos moradores. Depois vem demandas referentes a IPTU, dívida ativa e outros impostos.

O órgão está atuando apenas com o Diretor de Operações, João Abrantes Sobrinho e mais quatro atendentes distribuídas nos períodos da manhã e tarde. A diretoria faz a triagem das demandas recebidas e encaminha para os órgãos competentes. A maioria das demandas ainda foi encaminhada de maneira impressa para as pastas por falta de um sistema eletrônico no órgão que está em fase de teste.

A Ouvidoria, que foi reativada a partir de 29 de janeiro deste ano, integra a Secretaria de Transparência e Controle Interno e estava desativada desde novembro de 2012 quando o prédio do órgão foi condenado pela Defesa Civil.