Polí­tica

Foto: Divulgação

O deputado estadual Sargento Aragão (PPS) apresentou, na sessão da manhã desta quinta-feira, 21, um requerimento que pede que a Assembleia Legislativa convide o presidente do Instituto de Gestão Previdenciária (Igeprev), Rogério Villas Boas, para prestar informações acerca da liquidação extrajudicial da empresa Diferencial Corretora de Títulos e Valores Mobiliário S/A, uma das gestoras do Instituto.

Aragão questionou a existência de servidores ativos, inativos, pensionistas e aposentados do Estado e ao próprio Órgão.

Conforme o requerimento, a empresa Diferencial Corretora, administrava cerca de R$ 150 milhões do Fundo Previdenciário. Recentemente, um montante na ordem de 5% do saldo estimado de R$ 25% do fundo sofreu uma liquidação extrajudicial por parte do Banco Central.

Segundo Aragão, o fato traz detalhes preocupantes, quando traz à tona os motivos da liquidação. “A empresa se valeu de sua condição de Instituição autorizada a operar no Sistema Financeiro Nacional, para fazer operações com preços fora do padrão de mercado, em benefício próprio e de terceiros, apresentando comprometimento patrimonial”, afirmou.

Na decisão do Banco, se avalia que só é decretada a liquidação extrajudicial, depois que a fiscalização percebe irregularidades, tais como: ausência de recursos disponíveis, desvio de dinheiro, descumprimento de normas ou não pagamento de obrigações. “Nota-se que essa empresa deixa em péssima situação o Igeprev e todos os servidores envolvidos, materializando enormes e irreparáveis prejuízos”, disse Aragão.

Havendo a necessidade e caso a Assembleia tenha conhecimentos reais e aprofundados dos fatos, Aragão solicitou ainda que seja encaminhado convite ao secretário estadual da Administração, Lúcio Mascarenhas, que responde também pelo Igeprev, para que compareça na Casa. A intenção é esclarecer as responsabilidades de cada um e responder os possíveis questionamentos.

Aplicações financeiras

Outro requerimento apresentado por Aragão pede também que seja encaminhado ao Tribunal de Contas do Estado (TCE), um pedido de informações referentes às aplicações financeiras realizadas pelo Igeprev, no exercício dos anos de 2011 e 2012, até a presente data.

Para Aragão, o pedido de informações “é a melhor forma para elucidar dúvidas, que muitas vezes paira pelo segmento público”: “A recente liquidação da empresa que administra o Igeprev [Diferencial Corretora] deixou várias dúvidas e muitos questionamentos a serem feitos”, afirmou. (Ascom Sargento Aragão)