Polí­tica

Foto: Shirley Cruz

O vereador Iratã Abreu (PSD-TO) foi recebido na manhã desta última segunda-feira, 15, em audiência pelo presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Tocantins (OAB-TO), Epitácio Brandão. Na oportunidade, além de outros temas pontuais, o vereador entregou a ele um documento em que aponta fatos relacionados a duas dispensas de licitação efetuadas pela Administração Pública Municipal de Palmas.

Em razão das dispensas, Iratã solicitou da presidência da OAB-TO a adoção de medidas administrativas e/ou judiciais a fim de zelar pela manutenção da ordem jurídica de Palmas. O presidente Epitácio acolheu o documento e disse que a Ordem irá apreciá-lo.

Os fatos são a dispensa de licitação para locação de imóvel e a dispensa de licitação para contratação de serviços de publicidade, ambas sem parecer prévio expedido pelo órgão de assessoramento e consultoria jurídica da Administração Municipal.

A dispensa para locação de imóvel (Portaria 139 de 8 de abril) foi feita a favor da empresa Santos Participação e Investimentos Ltda e publicada no Diário Oficial do Município nº 736 do último dia 9. O referido imóvel abrigará, conforme já anunciou a Prefeitura de Palmas, três pastas e o gabinete do prefeito.

Segundo o vereador a mudança anunciada já provocou muitas discussões e dúvidas sobre o custo/benefício, “até porque a empresa é a mesma que executa o serviço público de transporte coletivo e foi também uma das financiadoras do Carnaval de Palmas neste ano”, diz. A prefeitura, entretanto, afirma que o aluguel do prédio vai gerar uma economia de mais de R$ 3 milhões por ano com aluguel de imóveis.

A outra dispensa, segundo o vereador, foi feita a favor da Public Propaganda e Marketing Ltda para que ela realize a campanha de conscientização e combate à dengue, já em andamento. “A Prefeitura utilizou o argumento de situação emergencial para dispensar o processo licitatório. Observa-se, contudo, que não há situação emergencial, vez que a própria Prefeitura afirmou que Palmas conseguiu reduzir o índice de infestação do mosquito na capital”, afirma o vereador em release para a imprensa.

No documento entregue por Iratã ao presidente da OAB, ele ressalta que a empresa Public é a mesma que executou a campanha eleitoral do hoje prefeito Carlos Amastha, “revelando, desta forma, sérios e gravíssimos indícios de favorecimento econômico a terceiros, bem como a violação dos princípios constitucionais da legalidade, moralidade e impessoalidade, além de caracterizar crimes de improbidade e fraude à licitação”, diz.