Polí­tica

Foto: Divulgação Questionamentos geram polêmica em Presidente Kennedy Questionamentos geram polêmica em Presidente Kennedy

O prefeito de Presidente Kennedy, Ailton Franscisco da Silva (Ailton do PT) encaminhou nota ao Conexão Tocantins onde nega as acusações dos vereadores João Alberto de Sousa (PSD), Gleycinara Bandeira da Silva Coimbra (PSD) e Rogerio Mendonça Rocha (Rogerinho) (PSD) de que mantém vários parentes na administração e também servidores que recebem sem trabalhar. Dentre os vários nomes que citaram os vereadores questionaram a nomeação do filho do prefeito,  Wesley Celestino David que é secretário de Finanças. Segundo a Prefeitura David é concursado.

“Wesley Celestino David é servidor concursado da Prefeitura de Presidente Kennedy, não havendo assim qualquer configuração de nepotismo. Os demais nomes citados em matéria jornalística já haviam trabalhado na Prefeitura, em gestões anteriores, sem qualquer ligação política com a atual. É preciso lembrar que em um município pequeno, com menos de 4 mil habitantes, é quase impossível evitar a contratação de servidores que já tenham atuado na administração municipal. Também reiteramos que não há servidores remunerados sem o devido cumprimento de expediente”, respondeu a prefeitura através de nota.

A Prefeitura rebateu ainda  a alegação de que muitos cargos foram criados arbitrariamente, sem constarem no plano de cargos, carreira e salários do município  e que não foram submetidos a apreciação da Câmara Municipal.  “Com relação à criação de cargos confirmamos que, em virtude de uma série de problemas herdados da gestão anterior, como dívidas com o INSS, não pagamento de servidores, sucateamento de prédios públicos, entre outros, observou-se a necessidade de uma urgente reforma administrativa. Em virtude do recesso parlamentar, a administração editou uma Medida Provisória, mas encaminhou o projeto de lei para a Câmara Municipal no mês de fevereiro, onde encontra-se em tramitação”argumenta.

 As denúncias, conforme os vereadores, serão formalizadas no Ministério Público Estadual (MPE).