Estado

Durante reunião nesta segunda-feira, 22, na Procuradoria da República no Tocantins, o procurador Álvaro Manzano recebeu as demandas dos trabalhadores em mineração da cidade de Chapada da Natividade organizados na cooperativa Coopminer. Os garimpeiros foram impedidos de trabalhar pelo Departamento Nacional de Produção Mineral por não possuírem as autorizações minerárias e ambientais, recentemente obtidas pela empresa BBX.

O conflito entre os 307 trabalhadores da Coopminer e a empresa agora detentora dos direitos minerários se agravou com a interdição das atividades, cuja solução deve ser intermediada pelo MPF. O prefeito de Chapada da Natividade, Djalma Rios, presente à reunião, enfatizou o impacto que o impedimento no trabalho da extração de ouro pela Coopminer teve na economia do município. A reunião também contou com presença do DNPM Martins Júnior. O representante da empresa BBX não compareceram devido a imprevistos no vôo a partir do Rio de Janeiro.

O pedido de licença da empresa é anterior ao estabelecimento da cooperativa pelos trabalhadores, que alegam ocupar a área há mais de 20 anos. Para solucionar o impasse, será apresentada uma proposta à empresa para que seja permitida a exploração em uma área de 47 hectares, suficientes para subsistência dos trabalhadores sem influenciar no investimento da BBX.