Estado

Foto: Elson Caldas Governador ao lado de Eduardo participam da inauguração do Museu Histórico do Tocantins, no Palacinho Governador ao lado de Eduardo participam da inauguração do Museu Histórico do Tocantins, no Palacinho

O governador Siqueira Campos participou na manhã desta segunda-feira, 20, da reabertura do Museu Histórico do Tocantins, o Palacinho. Ao lado dos secretários da Educação, Danilo de Melo Souza, e das Relações Institucionais, Eduardo Siqueira Campos, o governador caminhou pelas instalações e acompanhou as mudanças feitas na estrutura daquela que foi a primeira sede do Governo do Estado, em Palmas.

Visivelmente emocionado, Siqueira Campos percorreu todas as salas e anexos do  Museu, onde hoje estão instalados equipamentos que permitirão a produção de conhecimento a partir das memórias resguardadas nas paredes de madeira da construção. “Fico muito emocionado em ver que depois de 24 anos temos moradias, voos saindo desta capital, empregos em desenvolvimento”, completou.

Já Eduardo Siqueira Campos, que foi o primeiro prefeito eleito pela nova capital do Tocantins, lembrou dos momentos de luta na construção da cidade onde hoje moram mais de 230 mil pessoas. “Não podemos esquecer de toda a luta, todo o enfrentamento daqueles que acreditavam no sonho contra os que consideravam megalomania”, citou.

Em seu discurso, o secretário lembrou das obras que a atual gestão estadual vem entregando para melhoria de vida da população do Tocantins. “Acabamos com as tendas que eram as salas de aula. Entregamos notebooks, tablets para estudantes de todo o Estado. Construímos e estamos entregando centenas de quilômetros de rodovias asfaltadas”, completou.

Memória documental

Pedido do governador atendido pela Seduc, a biblioteca do Museu Histórico do Tocantins guarda um acervo com obras exclusivamente de escritores do Estado. São nomes como Antônio Farias da Silva, Gilson Cavalcante, Lucelita Alves e Osmar Casagrande. Conforme o secretário da Educação e Cultura, Danilo de Melo Souza, os livros à disposição na biblioteca são obras contempladas pelo Edital de Cultura de 2011, proporcionalmente um dos maiores do Brasil. “O Estado de São Paulo abriu um edital de R$ 18 milhões e no Tocantins abrimos um e R$ 7 milhões, por acreditar na cultura do Estado”, disse.

Para o secretário, o Museu representa muito mais do que simplesmente peças e espécimes de animais expostos. Para ele, o Museu Histórico do Tocantins preserva viva a História de um Estado e a memória de um povo. “É a memória e a História do Tocantins que buscamos preservar”.

Memória viva

Presente na solenidade de reabertura do Palacinho e parte da história do local, o senhor Manoel Neto foi o primeiro motorista do Governador, em 1989. Ainda portando o antigo Opala, primeiro veículo oficial, o motorista relembrou os quase 15 anos de serviços prestados ao governo do Estado. “É muito gratificante poder reviver isso tudo. Depois de muitos anos a gente volta a se encontrar. A primeira vez que vim aqui, as máquinas ainda abriam essas avenidas. O nosso Tocantins mudou muito, é um lugar muito bom de se viver”, disse.

Presenças


Na solenidade ainda estiveram presentes pioneiros de Palmas como o primeiro prefeito da capital, Fenelon Barbosa, o primeiro presidente da Assembleia Legislativa, Raimundo Nonato Pires dos Santos (Raimundo Boi), o primeiro vice-governador do Tocantins, Darci Coelho. Além deles, as deputadas federais Nilmar Ruiz e Dorinha Seabra Rezende, e os estaduais Carlão da Saneatins e Amélio Cayres participaram do evento ao lado de autoridades religiosas e do secretariado. (ATN)