Polí­tica

Foto: Divulgação

O ex-governador Marcelo Miranda confirmou ao Conexão Tocantins  nesta segunda-feira, 8, que o grupo PMDB Autêntico se reúne hoje para retomar as discussões sobre o rumo na legenda. “Queremos discutir um projeto novo. Vai ser mais uma reunião para darmos andamento às tratativas sobre o partido”, frisou.

O grupo pretende permanecer na legenda mas não descarta a desfiliação caso o partido se alinhe com o grupo do governador Siqueira Campos (PSDB). “Ninguém tem o desejo de sair do partido mas tem companheiro entende que se não tiver espaço no partido não adianta”, frisou.

Marcelo, que é um dos principais nomes do PMDB para o governo no próximo ano, contou ao Conexão Tocantins que vem sendo perseguido pelo atual grupo do governo e rechaçou a atitude do secretário de Relações Institucionais, Eduardo Siquiera Campos que recentemente em uma entrevista teria culpado o ex-governador por vários problemas do Estado e diminuído as ações dos governos do PMDB. “ Já ganhei do pai dele em 2006, ganhei para o Senado em 2010 e porque ele não disputa no voto? Porque essa perseguição encima de mim?”, pontuou.

Em recente entrevista ao Jornal Opção o ex-governador também respondeu Eduardo que teria divulgado que 80% das obras do Estado foram nos governos de Siqueira Campos. “Ele já deve ter passado na ponte do Lajeado, na ponte de Pedro Afonso sobre o Rio To­can­tins, na Barra do Ouro (Rio To­can­tins) que nós iniciamos e deixamos quase pronta, ele já passou em várias pontes, rodovias pavimentadas que nós fizemos. Ele está precisando usar óculos para enxergar o que o PMDB fez, o que o meu governo fez”, respondeu.  O ex-governador chegou a dizer que o secretário Eduardo tem inveja das realizações do PMDB.

O ex-governador tem viajado vários municípios e recebido também vários representantes de cidade do Estado. Na avaliação de Marcelo o atual governo está à deriva. “ O Estado está praticamente falido”, frisou citando os cortes que terão que ser feitos este mês em razão do gasto excessivo com pessoal. Outra alegação do ex-governador é que ele vem sendo bombardeado politicamente.

Para Marcelo a população do Estado vive um clima de instabilidade política por causa do Rced contra o atual governador Siqueira Campos que deve ser julgado neste segundo semestre e que pode resultar na cassação do tucano e do vice, João Oliveira.