Polí­tica

Foto: Divulgação

Para o deputado José Roberto Forzani (PT) os problemas da Saúde no Estado mostram a incapacidade técnica do atual governo. O petista disse que a senadora Katia Abreu (PSD) foi uma das culpadas com estes problemas. “O nosso Estado foi prejudicado pela ação desta senadora. Porque ela lutou contra a CPMF”, disse. Segundo José Roberto o país perdeu bilhões ao acabar com o imposto da saúde.

Katia Abreu foi uma das principais opositoras à manutenção da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF).

Toninho Andrade ( PSD) respondeu José Roberto sobre a crítica ao governo. “Gostaria que você dissesse ao povo do Estado porque fazia parte do governo e hoje critica tanto esse governo que você  se beneficiou dele”, disse. Segundo Toninho, José Roberto já foi o deputado mais privilegiado pelo atual governo.

O parlamentar saiu na defesa da senadora Katia Abreu. “Será que foi só ela que votou contra para acabar com esse imposto que seu presidente colocou?”, disse. Segundo ele, o petista sempre busca criticar a senadora. “Nós sabemos que 70% dos senadores desaprovaram a CPMF”, disse. Ele ainda alfinetou: “A arma dos incompetentes é a inveja”, afirmou.

Na réplica, José Roberto negou que tenha sido da base do governo. “Nunca participei das discussões do governo”, disse. Ele reforçou as críticas contra a senadora Katia Abreu.

Outro que saiu na defesa da Kátia Abreu foi o deputado Raimundo Palito. “Parece que é uma coisa de ódio”  ou um problema pessoal dele com a senadora. “Nós tocantinenses temos que nos orgulhar dela por tudo que tem feito pelo Tocantins e pelo Brasil”, disse.

A Saúde esteve no centro das discussões dos deputados na sessão de hoje. As deputadas Josi Nunes (PMDB) e Luana Ribeiro (PR) questionaram o governo com relação á falta de medicamentos e outros problemas que estão sendo divulgados nas últimas semanas através da imprensa. As parlamentares sugeriram inclusive que a Casa de Leis acompanhe os problemas da área. Eli Borges (PMDB) também falou de sua preocupação com o setor e propôs uma agenda positiva por parte da Casa de leis.