Economia

Foto: Divulgação

O Estado registrou crescimento constante no Produto Interno Bruto (PIB) entre os anos de 2002 e 2012. De acordo com o relatório socioeconômico 2013, divulgado pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (Sedecti), o Tocantins vive um acréscimo de mais de 74% no acumulado da década, impulsionado pelo aquecimento no setor comercial e de serviços, aliado ao momento de estabilidade da economia brasileira nos últimos anos.

De acordo com os dados, em 2002 o PIB, que é a soma de todas as receitas do Estado, era de R$ 5,6 milhões. Já em 2012, a prospecção feita pela Secretaria de Estado do Planejamento superou os R$ 21 milhões. Segundo o economista Francisco Viana, presidente do Conselho Regional de Economia (Corecon), este crescimento exponencial se deve a uma conjuntura macroeconômica experimentada pelo Brasil pós-crise econômica mundial em 2009. “O PIB tocantinense, sobretudo em termos percentuais, está apresentando um crescimento acima da média nacional”, disse, ressaltando que o Estado vem tendo uma taxa de crescimento na casa dos 10% ao ano. “Nós crescemos a taxas chinesas. A China está crescendo a taxas de 10%, 11% ao ano e nós estamos mantendo esse crescimento”, complementou.

Para ele, o momento favorável da economia brasileira, aliado ao aquecimento do setor comercial tocantinense são fatores preponderantes para a manutenção o crescimento do PIB no Tocantins. “São diversas variáveis que contribuem: as transferências de renda dos programas sociais, o mercado de trabalho está melhor, a taxa de desemprego diminuiu, e vemos um ganho maior do salário mínimo”, explicou.

Programas

Entre os dados socioeconômicos apresentado pelo governo do Estado, destaque para o comércio atacadista, com crescimento de 13,6% entre maio de 2012 e o mesmo mês de 2013, o terceiro maior do país, atrás apenas de Roraima e Acre.

Dentro deste contexto, o governo do Estado vem implantando políticas de atração de investimentos como incentivos fiscais em 11 modalidades principalmente voltados para micro, pequenas e médias empresas. Entre os incentivos concedidos pelo Estado estão:

Propespar: Empresas com projetos que apresentem viabilidade econômica e financeira, com interesse em implantação, revitalização ou expansão de unidade industrial, agroindustrial, comercial atacadista e turística.

Comércio Atacadista: Empresa com atividades econômicas no comércio atacadista, desde que possuam termo de acordo de regime especial, Tare.

Produção de carnes: Frigoríficos e abatedouros devidamente cadastrados e que possuam termo de acordo de regime especial, Tare.

Produção de frutas e pescado: Contribuintes estabelecidos no estado nos ramos de indústria, comércio, extração e produção rural, bem como prestação de serviços de transportes rodoviário de passageiros.

E-Commerce: Empresa regularmente inscrita no cadastro de contribuintes do Estado, que pratiquem atividade comercial, exclusivamente, via internet ou de vendas por correspondência.

Comércio atacadista de medicamentos: Empresas com atividade econômica no comércio atacadista de medicamentos. (ATN)