Polí­tica

Foto: Divulgação


Após reunião com o secretário Executivo de Saúde, Luiz Fernando Freesz, e o presidente do Conselho Municipal de Saúde, Múcio Breckenfeld, os 15 vereadores presentes à sessão desta terça-feira, 1º de outubro, aprovaram, em primeiro turno de discussão e votação, o projeto de lei, de autoria do Executivo, que autoriza a participação de Palmas no Consórcio Intermunicipal de Saúde envolvendo municípios situados na Região Central do Estado.

A constituição do consórcio está entre os projetos estruturantes que compõem o Programa Saúde Integrada – SIN, anunciado como o maior programa de saúde da história de Palmas, de acordo com Freesz.

Durante a reunião com os vereadores, Múcio citou a lei que trata da criação dos conselhos e defendeu a necessidade de um protocolo de intenções para a constituição do referido consórcio. Por sugestão do vereador Valdemar Júnior,  líder do prefeito na Casa, os vereadores acataram a realização de audiência pública para discutir com mais detalhes sobre o modelo e formatação do consórcio, para verificar as questões técnicas e orçamentárias, envolvendo todos os segmentos ligados à saúde. O vereador Iratã Abreu deu seu voto favorável, mas com ressalvas.

Recentemente, o secretário municipal da Saúde, Nicolau Esteves, participou de uma audiência na Câmara Municipal de Palmas, quando sustentou que, com a criação do consórcio, é possível organizar melhor a relação com os municípios e obter economia de recursos, “já que poderemos comprar medicamentos e insumos e contratar serviços em escala”.

O secretário-executivo da Semus, Luiz Fernando Freesz, explicou que a formação do consórcio vai garantir à população de todos os municípios envolvidos o acesso a serviços de saúde que, isoladamente, as cidades têm dificuldade de oferecer, especialmente em se tratando consultas com especialistas e realização de exames.