Educação

Nesta quinta-feira (12), o Centro Acadêmico de Jornalismo, CAlangos - Comunicação que comunica, vai realizar protesto e intervenção política na Universidade Federal do Tocantins (UFT) campus Palmas pela manhã. A ideia é chamar atenção para o que eles chamam de problemas recorrentes na complexa relação entre o curso e a alta administração (atual e anteriores) da universidade entre outros assuntos de interesse da comunidade acadêmica.

 A principal reivindicação é a cobrança de melhorias prometidas pelo atual reitor Marcio da Silveira, em relação a já histórica precariedade de infraestrutura no curso.

" O curso de Jornalismo necessita de laboratórios específicos para desenvolver suas atividades e promover um ensino com as condições básicas para a formação profissional, assim como as Engenharias, Medicina e outros. Desde que o curso foi criado na então UNITINS, professores e alunos improvisam no processo de aprendizagem com recursos próprios em atividades que são pilares da profissão como Fotojornalismo e Telejornalismo", alega o Centro Acadêmico. 

 Outra importante reivindicação é por acessibilidade no campus para que pessoas portadoras de deficiência tenham condições mínimas para acompanhar a rotina universitária. A pauta surgiu a partir do relato de estudantes do 1º período do curso em assembleia estudantil realizada na manhã desta quarta-feira (11). A turma tem como integrante uma acadêmica portadora de deficiência visual que sofre as consequências da falta de preparo da UFT em lidar com essa realidade, embora a instituição tenha um Núcleo de Acessibilidade.

Todos os acadêmicos foram convidados para participar do ato que faz parte da X Semana Acadêmica de Comunicação que discute o tema nessa edição.  Os participantes se reuniram no Bloco A do campus de Palmas da UFT, com materiais para confeccionar cartazes, faixas e outros objetos para a intervenção.

Por: Redação

Tags: Jornalismo, Márcio da Silveira, UFT