Estado

Foto: Divulgação

Servidor de carreira do Banco do Brasil e Petrobras, com experiência de 32 anos no Banco Central, além de cargos de direção em diversos órgãos, o executivo Francisco Flávio Sales Barbosa assumiu na tarde desta segunda-feira, 16, a presidência do Instituto de Gestão Previdenciária do Estado do Tocantins (Igeprev). Ele substitui Rodrigo Alexandre Gomes de Oliveira que, a pedido, deixou a função que exercia desde 27 de setembro e seguirá à frente da Agência de Fomento.

 A nomeação de Barbosa será publicada na edição desta segunda-feira do Diário Oficial do Estado (DOE). Também será destaque no DOE o ato número 2.006, que trata da saída de Rodrigo Alexandre Oliveira.  No documento, o governador Siqueira Campos faz questão de agradecer ao gestor pela “dedicação, honradez, competência e excelente desempenho com que se houve no exercício da função pública”.

 Para o Governador Siqueira Campos, que deu posse ao novo presidente em cerimônia realizada em seu gabinete, no Palácio Araguaia, o gestor contribuirá com a sua experiência e credibilidade no setor financeiro nacional na administração do Igeprev. “O doutor Rodrigo [Alexandre Gomes de Oliveira] conduziu muito bem o instituto nesse processo de transição. Já o  doutor Francisco Flávio, experiente na gestão de fundos, um técnico altamente capaz, reconhecido, respeitado e de credibilidade dará continuidade no propósito do órgão: continuar zelando pelo patrimônio e benefício do servidor”, disse.

 Após ser empossado no cargo, o novo presidente visitou o órgão e informou que a sua primeira medida é a realização de um levantamento das contas do instituto. “Farei análise total do ativo e passivo do Igeprev. Paralelo a isso, iremos atuar com objetivo de garantir o benefício e direito dos servidores que é a aposentadoria, ou seja, a finalidade para a qual o órgão foi criado”, declarou.

 Francisco Flávio Sales Barbosa é natural de Belém (PA) e tem 72 anos. Formado pela Faculdade de Ciências Contábeis da Universidade do Brasil – RJ, tem vasta experiência no setor público. Funcionário concursado da Petrobras e do Banco do Brasil, foi requisitado para trabalhar no Banco Central do Brasil. Desde então, ocupou vários cargos de chefia, a maioria ligados a fundos e aplicações como, por exemplo, chefe de divisão de liquidações, de auditorias, processos administrativos e do departamento de mercado de capitais.

Barbosa já foi diretor presidente do Banco do Estado de Mato Grosso e do Banco de Brasília, diretor do Banco da Amazônia e interventor do Banco Econômico. Ele também integrou o Grupo Projeto Carajás, gerenciado pela Secretaria de Planejamento da Presidência da República. No setor privado, Francisco foi superintendente geral do Banco Interfinance e membro do Conselho de Administração da Rótula S/A – Crédito, financiamento e investimentos.