Campo

Foto: Divulgação

A chegada de grandes empresas ao Tocantins deve fomentar o crescimento da produção de grãos e o aumento do rebanho de animais nos próximos anos. Para abastecer os novos armazéns e indústrias esmagadoras de soja que se instalaram no Estado, os produtores devem ampliar a área de plantio.

Para o secretário executivo da agricultura e pecuária, Ruiter Pádua, a vinda de empresas nacionais e internacionais para o Tocantins é fundamental para o desenvolvimento de diferentes setores econômicos. Segundo ele, esses empreendimentos geram emprego e renda, o que movimenta toda a economia do Estado, além de proporcionar a vinculação dos pequenos agricultores e pecuaristas à indústria.

“Nós temos dois atrativos importantes: um é nossa posição logística, e o outro é o nosso regime de chuvas. Associado a isso, estão à característica do nosso solo e vegetação, investimentos do Estado em propiciar a utilização dessa logística com construção de estradas e da Ferrovia Norte Sul”, pontuou Pádua, ao destacar o programa de incentivo fiscal implantado e aperfeiçoado a cada ano e a disponibilidade de mão de obra e matéria-prima.

Investidores portugueses

Na última semana um grupo de empresários portugueses visitou a secretaria Estadual da Agricultura e Pecuária. O grupo IVV Automação tem interesse na elaboração de um projeto para frigorífico de ovinocaprinos no município de Barrolândia. Outro objetivo apresentado pela Move Incorporadora, que também participou do encontro, foi à análise de viabilidade de construção de uma fábrica de calçados no sul do Estado, região onde é produzido couro de qualidade.

Na ovinocaprinocultura, o rebanho em 2010 era de 108.062 animais e saltou para 134.056 em 2013, crescimento de 24%. Já segundo levantamento da Agência de Defesa Agropecuária (Adapec), o rebanho bovino soma um total de 8.075.517 cabeças, ocupando a 11ª colocação no ranking nacional. Os municípios com maiores rebanhos são: Araguaçu, com 280.448 animais; Araguaína, com 223.364; Formoso do Araguaia, com 220.366; e Peixe, com 201.899 cabeças.

No Estado existem frigoríficos com serviço de inspeção estadual em seis municípios. Já o serviço de inspeção federal está em sete municípios, sendo que os frigoríficos de Araguaína e Gurupi são os maiores em abate de bovinos destinados à exportação. A carne e os derivados chegam a diversas regiões brasileiras e são exportados para vários países, especialmente da Ásia e Europa. A exportação tocantinense envolve além da carne, com ou sem osso, outros subprodutos, como miúdos, couro, ossos que se transformam em ração animal, conforme a cultura dos países importadores.

Grãos

Em 2013 a Granol, cuja sede tocantinense está em Porto Nacional, adquiriu 150 mil toneladas de soja de produtores tocantinenses. De acordo com a processadora de grãos, a previsão é que em 2014 a empresa compre mais 150 mil toneladas de soja, enquanto em 2015 o número deve chegar a 350 mil toneladas. A empresa já conta com dois armazéns em operação no Tocantins, sendo um em Porto Nacional e outro em Figueirópolis, cada um com capacidade para armazenar até 43 mil toneladas de soja. Outros dois armazéns, nos municípios de Marianópolis e em São Valério, também com capacidade de até 43 mil toneladas, devem começar a funcionar até o ano de 2015.

Além dos dois armazéns, até 2015 a Granol contará com uma indústria esmagadora de soja, cuja construção já foi iniciada, com capacidade para processar 120 mil toneladas de grãos por ano. A empresa produziu ainda 42 milhões de litros de biodiesel em 2013, com produção diária de 250 mil litros.

Produção recorde

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estimou aumento de 15% na produção do Estado em levantamento divulgado em dezembro passado. De 2.634.450 toneladas na safra 2012/2013 para 3.030.650 toneladas na safra 2013/2014. A área plantada deve crescer em torno de 10,3% passando de 813,82 mil hectares para 897,57 mil hectares.

O percentual de aumento na produção local está maior que o nacional, que saltará 4,8%, alcançando 195,9 milhões de toneladas e crescimento de 3,6% na área plantada de grãos, que saiu de 53,2 para 55,2 milhões de hectares.

Dentre os destaques no Estado, o algodão sem caroço deve ter aumento de produção em torno de 70,2%, passando de 17,94 mil toneladas para 30,54 mil toneladas, enquanto a área plantada deve passar de 5,95 mil hectares para 8,46 mi hectares. Em segundo vem à soja, com média de 26% de crescimento na produção, de 1.536.440 toneladas para 1.936.170 toneladas, e aumento da área plantada em 15% (634,80 mil hectares).

Ainda segundo o levantamento, a região que apresenta maior aumento percentual de área plantada é a que compreende os municípios de Alvorada, Aliança do Tocantins, Caseara, Cristalândia, Divinópolis, Dueré, Figueirópolis, Formoso do Araguaia, Gurupi, Lagoa da Confusão, Marianópolis, Paraíso, Peixe e Pium. No entanto, a região campeã na produção de grãos compreende municípios do centro e sudeste do Estado – Brejinho de Nazaré, Dianópolis, Guaraí, Miracema, Palmas, Pedro Afonso, Porto Nacional e Silvanópolis. Juntos, eles devem produzir na safra atual 1.242.170 toneladas. (ATN)