Polí­tica

Foto: Divulgação Eduardo aproveitou a oportunidade para mandar alguns recados Eduardo aproveitou a oportunidade para mandar alguns recados

Após a leitura da mensagem de renúncia do governador Siqueira Campos (PSDB) na noite desta sexta-feira, 4, na Assembleia Legislativa do Tocantins, o presidente da Casa de Leis, Sandoval Cardoso (SD), declarou a vacância do cargo e, como o vice-governador João Oliveira também já havia renunciado ontem, ele tomou posse como governador do Estado.

A transmissão da faixa de governador do Estado acontecerá neste sábado, em Ipueiras, durante a inauguração da rodovia TO-458, que liga a TO-050 ao município. Sandoval afirmou em seu pronunciamento que vai se desdobrar e fazer de tudo para que não decepcione os seus amigos e o Estado do Tocantins. “É muito especial pra mim talvez até mais do que eleito pelo voto popular, com a emoção a flor da pele, como tudo que já fiz na minha vida, com muita humildade, muita seriedade, faço novamente compromisso com meus colegas deputados, vou me desdobrar ao máximo, fazer de tudo para que não decepcione os meus amigos e o Estado do Tocantins", disse.

Sandoval ficará à frente do governo por 30 dias período no qual deverá convocar eleição indireta para eleger o novo governador, com isto o primeiro vice-presidente da Assembléia Legislativa, deputado Osires Damaso (DEM) assumiu a presidência do legislativo tocantinense. 

Durante a sessão extraordinária de posse na Casa de Leis o deputado Stalin Bucar (SD) foi escalado para se pronunciar sobre o momento histórico vivido pelo Estado e disse que: “se engana quem acha que o governador renunciou para beneficiar seu filho (Eduardo Siqueira Campos)”. O deputado, entretanto, salientou as virtudes de Eduardo Siqueira e sua experiência política como ex-prefeito, ex-deputado federal e ex-senador.

Stalin ainda criticou os que dizem que a renúncia do governador foi um golpe. “A gente abre um blog, um site e está lá dizendo, foi um golpe, mas eu concordo! foi um golpe, mas de mestre!” disse o deputado, salientando que o governador não estava apegado à chave do cofre.

Eduardo Siqueira

O ex-senador Eduardo Siqueira Campos (PTB), filho do agora ex-governador Siqueira Campos, em um longo discurso de quase 1 hora após a posse de Sandoval, aproveitou para mandar alguns recados. O ex-senador lembrou quando se elegeu deputado federal mais votado e de todas as outras eleições que participou e disse que sempre disputou as eleições do mesmo lado. Eduardo aproveitou para alfinetar a senadora Kátia Abreu (PMDB) que em 2006 foi adversária política dele concorrendo ao Senado e, na oportunidade, pedia em palanques para que ele descesse da garupa do pai. Posteriormente Kátia viria a romper com os peemedebistas que foram seus aliados naquela oportunidade, mudando de lado para se aliar em 2010 ao candidato a governador Siqueira Campos, para depois, novamente, inverter sua posição rompendo com Siqueira e, deixando o PSD, se filiar ao PMDB. “Se tem alguém neste Estado que é garupeiro não sou eu. Eu sempre disputei do mesmo lado”, provocou Eduardo.

Eduardo afirmou em seu pronunciamento que não disputará a eleição indireta. “Firmo aqui que não disputo eleição indireta, não que ela não seja honrosa ou porque seja inconstitucional, mas porque jamais passou pela minha cabeça. Dirão de tudo, mas não dirão que serei candidato indireto”, disse.

Eduardo ainda disse em seu pronunciamento que já padeceu da “pouca idade” e também alfinetou os que acusam a manobra política do ex-governador Siqueira Campos de golpe. “Quem teve a coragem de dizer que isto foi golpe foi alguém que comeu mais de 1 kg de sal na minha casa, eu não sei ser ingrato”, provocou.