Polí­tica

PP metropolitano, PSL e PCdoB devem elaborar um documento na próxima segunda-feira, colocando as metas do grupo e reforçando a posição de que o grupo não está fechado com nenhum outro grupo político visando as eleições de outubro. Este posicionamento foi tirado na manhã desta sexta feira, 16, quando o grupo reuniu-se e tiraram uma resolução da reunião deixando claro que não tem compromisso eleitoral com nenhum grupo. estavam na reunião: Tiago Andrino, Luciano Arruda, Marco Antônio, Cristian Zini, Carlos Amastha e Donizeti Nogueira.

Segundo o presidente metropolitano do PP e pré-candidato a deputado federal, Tiago Andrino, ficou parecendo na imprensa, pela aproximação do prefeito Carlos Amastha com o governo interino e a desistência do pré-candidato do partido ao Governo do Estado, Roberto Magno Martins Pires, que o grupo poderia apoiar uma eventual candidatura de Sandoval Cardoso à reeleição em outubro. Ele que é governador tampão eleito indiretamente pela Assembleia Legislativa do Tocantins depois da renúncia do ex-governador Siqueira Campos (PSDB) e seu vice João Oliveira (DEM). “Ficou parecendo que a gente vai aderir ao projeto do Sandoval, não existe nenhum compromisso eleitoral com o Sandoval para a eleição de outubro”.

 Andrino ressaltou, entretanto, que o grupo está muito satisfeito com Sandoval no que tange aos benefícios da parceria entre o executivo estadual e o municipal em prol dacapital. “Estamos muito satisfeitos com a forma como ele vem tratando Palmas não tem o que negar, a aproximação é fato”, disse.

Segundo Andrino, o grupo reuniu-se na manhã desta sexta-feira, para acertar pontos de consenso do grupo, entre eles a questão do apoio à reeleição da presidente Dilma Rousseff. Segundo ele, o ex-presidente do Partido dos Trabalhadores no Estado, Donizeti Nogueira, participou da reunião como “amigo”. “Donizeti, como amigo, pôde participar para poder levar para o PT a decisão do grupo”, disse Andrino.

Ainda segundo Andrino, o grupo vai agora formatar um documento e, a partir dele pensar o caminho a seguir e apresentar para o presidente regional do PP, Lázaro Botelho, para ver se o PP estadual fecha unidade no projeto.

Afastamento do PT

Andrino explicou o afastamento do PT, daquele grupo que outrora foi chamado de terceira via. Segundo ele, desde a eleição indireta começou haver um distanciamento e o PT tem caminho próprio, “o PT tem candidato ao governo! na indireta ele foi candidato (Paulo Mourão) e não pediu nossa opinião, foi por conta própria. Hoje o PT faz diálogo com o PMDB, já vem fazendo o seu diálogo de forma autônoma. O grupo hoje é o PCdoB, PSL, e PP com prefeito de Palmas”, salientou.  

Andrino afirmou, entretanto, que o grupo vai ouvir o PT e outros partidos. “Nós vamos conversar com todos os projetos, nós vamos dialogar com PT, com o PMDB, Sandoval, com Ataides! Para tentar ver onde nossas ideias se encaixam”, disse.  

Queixas

Andrino queixou-se da forma como o pré-candidato do PT, Paulo Mourão, vem se pronunciando em relação ao prefeito Carlos Amastha. “Você viu o Paulo bater no Amastha a forma como ele conduziu se afastou da gente!” disse.

Andrino ressaltou também que o grupo ficou triste com desistência de Roberto Pires e disse que agora o único que faz falta é o presidente regional da PP, Lázaro Botelho. Ele também ressaltou o desejo de ter o deputado César Halum (PRB) no grupo.

Adversário

Andrino disse que o único grupo que não será procurado para conversar vai ser aquele ligado ao deputado estadual Marcelo Lelis (PV), “porque este é nosso adversário”, concluiu.