Polí­tica

Foto: Divulgação

Um jantar de confraternização com a presença do vice-presidente da República, Michel Temer, dos ministros da Agricultura Pecuária e Abastecimento, Neri Geller, e da Previdência Social, Garibaldi Alves, marcou a transferência de comando da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). A senadora Kátia Abreu passou a presidência da entidade a seu primeiro vice, João Martins da Silva Júnior, presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado da Bahia (Faeb).

“Saio tranquila para minha missão de recandidatura ao Senado pelo Tocantins, reafirmando a todos que nossa casa está em boas mãos: mãos de um homem digno, ético, que conhece bem nosso setor”, afirmou a senadora, ao anunciar João Martins na presidência da CNA pelos próximos cinco meses, a partir desta quarta-feira, 4 de junho. O evento, em que também foi celebrada a posse recente de Almir Dalpasquale na presidência da Associação dos Produtores de Soja do Brasil (Aprosoja), contou com a presença de presidentes das Federações da Agricultura de todo o Brasil e de vários líderes da bancada da agropecuária no Congresso.

Dalpasquale disse que assumiu a Aprosoja disposto a incrementar e melhorar a relação entre as entidades. “Precisamos conversar mais de perto e ouvir nosso povo porque todos queremos o mesmo resultado. Este é o compromisso que trago aqui”, resumiu, adotando tom semelhante ao da senadora, que acabara de saudar a presença de todos como demonstração de união do setor. “Estamos todos juntos, na celebração da posse de pessoas tão importantes para a agropecuária brasileira, independentemente de partidos, de nossas escolhas pessoais e das questões internas estaduais. O agro está acima de tudo e é isto que faz esta bancada ruralista ser tão invejada e admirada em todo o Brasil”, discursou a presidente licenciada da CNA.

Convidado a dirigir algumas palavras aos presentes, João Martins abriu sua fala anunciando que quebraria o protocolo, transferindo a homenagem à senadora Katia Abreu. “Tudo aqui é fruto do seu trabalho. Foi você quem teve a capacidade de coordenar e nos convencer de que temos que marchar unidos, para realmente consolidar esta agropecuária pujante do País”, justificou.

O presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), deputado Luis Carlos Heinze (PP-RS), destacou o fortalecimento da representação do setor no Congresso, hoje composta por mais de 200 parlamentares. E lembrou que o apoio da CNA, das Federações e de entidades ligadas ao setor produtivo resultou em várias conquistas. “Vamos ficar ainda mais fortes para fazer os enfrentamentos necessários na defesa do agronegócio”, enfatizou.

Ao agradecer de forma conjunta o apoio incondicional recebido das Federações Estaduais ali representadas, a senadora destacou que, em nenhum momento, sofreu qualquer tipo de preconceito por ser uma mulher no comando da CNA. “Ao contrário, só tenho que agradecer a Deus e aos companheiros presidentes pela honra, alegria e privilégio de presidir esta grande Confederação, que representa um dos segmentos mais importantes do país”, destacou.

Ao final, Kátia Abreu fez um agradecimento especial a duas pessoas que foram “fundamentais” no início de sua carreira: o senador Waldemir Moka (PMDB-MS) e o deputado Abelardo Lupion (DEM-PR). Emocionada, recordou que, mesmo sendo àquela altura uma deputada suplente, de um Estado pequeno, os dois a fizeram presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, até contrariando algumas vontades. “Sou extremamente grata à vida por ter chegado até aqui”, disse.

Por último, o ministro Neri Geller desejou sucesso ao presidente João Martins e falou sobre o início de sua carreira como parlamentar e líder classista. Também reforçou a aproximação do ministério com os parlamentares e entidades ligadas à agropecuária para promover o crescimento deste segmento que dá “emprego, renda e sustentabilidade” ao País. “Não irei abrir mão do apoio das lideranças do setor e tenho certeza de que vamos emplacar muitas coisas boas”, concluiu o ministro.