Campo

Foto: Divulgação

No Tocantins, a Safra 2013/2014 ultrapassou os 692,8 mil hectares de área plantada de soja e a produção foi de 2.097,91 milhões de toneladas de grãos, de acordo os dados da Companhia Nacional de Abastecimento- Conab. Para preservar todo esse potencial de produtividade que alcançou 3.024 kg por hectare, os sojicultores tocantinenses devem ficar atentos, pois o vazio sanitário da oleaginosa acontecerá entre 1º de julho a 30 de setembro com duração de 90 dias, conforme estabelece o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

O objetivo é combater e prevenir a ferrugem asiática, principal praga que acomete a cultura. A medida é obrigatória em todo o Estado, com exceção somente para a área das planícies tropicais onde ocorre a entressafra. O vazio sanitário ocorre anualmente desde 2006 no Tocantins, é uma época estipulada para ausência total de plantas vivas da cultura da soja e plantas invasoras como tiguera ou soja guaxa na área de plantio.

Durante a vigência do vazio sanitário, todas as plantas de soja cultivadas ou voluntárias deverão ser eliminadas por meio de controle químico ou mecânico, todo este processo de eliminação é de responsabilidade do produtor rural ou proprietário da área. Para tirar dúvidas basta o sojicultor procurar um escritório da Adapec presente em todo o Estado.

De acordo com o diretor de Defesa, Sanidade e Inspeção Animal da Agência de Defesa Agropecuária, Luís Henrique Michelin, durante todo o período do vazio a Agência fará monitoramento em toda área por amostragem. “Se for encontrado irregularidades, o produtor será notificado a tomar todas as medidas de destruição das plantas vivas”, disse. (Ascom Adapec)

Por: Redação

Tags: Adapec, Luís Henrique Michelin