Palmas

Foto: Divulgação

O Diário Oficial da União  (DOU) desta segunda-feira, 21, traz a publicação da Portaria nº 381, na qual o ministro das Cidades, Gilberto Magalhães Occhi, torna pública a seleção de propostas apresentadas pela Prefeitura Municipal de Palmas inseridas no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Pacto da Mobilidade. A publicação permite que a Prefeitura de Palmas inicie uma nova etapa para a implantação do sistema Bus Rapid Transit (BRT) em Palmas.

De acordo com o presidente do Instituto de Planejamento Urbano de Palmas (Impup), Luiz Masaru Hayakawa, “o próximo passo é a análise dos estudos técnicos junto à Caixa Econômica Federal”. O arquiteto ressalta ainda que todo o processo tem sido vitorioso para a Capital do Tocantins. “Primeiramente porque Palmas é a única cidade com população inferior a 500 mil habitantes a participar deste Pacto da Mobilidade, e é a única também que em um ano seus técnicos conseguiram apresentar as propostas e tê-las publicadas no DOU. É uma vitória, sobretudo de todos os técnicos envolvidos no processo”, ressaltou Masaru.

As propostas selecionadas e inseridas no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Pacto da Mobilidade foram:

- BRT Palmas

- Corredor preferencial no Jardim Aureny III, Jardim Aureny II e Taquaralto

- Terminal Urbano de Taquaralto

- Terminal Metropolitano e Corredor Preferencial da Av NS 10

- ITS – Sistema Inteligente de Transporte

Entenda

O BRT é um modelo inspirado em grandes exemplos de obras de transporte coletivo adaptado à realidade e capacidade de Palmas. O novo Transporte Público da Capital nasce com objetivo de facilitar a mobilidade, contribuir com a organização dos espaços urbanos eliminando os vazios e ser um propulsor de desenvolvimento econômico.

O BRT vai transformar o sistema de mobilidade, cumprir o papel de aproximar as regiões Sul e Norte de Palmas e promover melhorias nos mais diversos segmentos como saúde, educação, habitação, além de trazer desenvolvimento social e econômico para a Capital mais nova do País.

Estrutura

O projeto contará com a implantação de um eixo de 30 Km de extensão partindo da Região Norte, do Setor Santo Amaro, atravessando todo plano diretor e se dividindo em duas outras linhas, uma para Taquaralto e outra para Jardim Taquari. O canteiro central da Avenida Teothônio Segurado será a base da via e as pistas de tráfego de veículo serão mantidas.

No canteiro central circularão os ônibus rápidos com energia limpa e ainda quase 17 Km de ciclovia, 8,5 km de calçadas, sete pontes e viadutos, sendo quatro exclusivos para tráfego de coletivo urbano.

Estações e Terminais

Toda via será dividida em sete eixos de estações multimodais com trincheiras com passagens em desnível e outras duas em nível. Estes espaços serão equipados com rampas, calçadas, bicicletários, paisagismo, serviços públicos, painéis de sinalização com informações de tempo de espera, catracas envidraçadas e banheiros. Elas sempre estarão localizadas nos cruzamentos leste oeste.

Serão implantados ainda dois grandes terminais urbanos sendo que um deles substituirá a Estação Javaé em Taquaralto e ainda mais 28 estações de passagens. Este eixo será abastecido por rotas alimentadoras, ou seja, ônibus que percorrerão quadras e bairros aproximando os passageiros ao BRT sem a necessidade de pagar outra passagem.

Na altura da Ulbra, o trajeto do BRT será desviado para esquerda por meio de um viaduto, passando pela futura Vila Olímpica, chegando na Avenida NS 10, onde uma ponte será construída sobre o braço do lago para dar acesso ao Setor Bertaville de onde a pista segue pelo Jardim Aureny III e Jardim Taquari.