Campo

Foto: Divulgação

A piscicultura é uma das atividades que mais cresce no Brasil e traz resultados positivos no que se refere à movimentação comercial. Estado mais novo do País, o Tocantins concentra a maior capacidade produtora de peixes. Segundo dados da Secretaria Estadual da Agricultura e Pecuária (Seagro), são mais de 500 mil hectares de lâmina d’água, em operação e projetadas para a prática da piscicultura. Com a área, podem ser produzidos 800 mil toneladas de pescado por ano.

O secretário da Agricultura e Pecuária, Ruiter Pádua, destaca que o Estado possui condições naturais favoráveis para o desenvolvimento da aquicultura, com água de excelente qualidade e em grande quantidade, além de temperaturas altas durante todo o ano e topografia plana, favorecendo o desenvolvimento ideal da piscicultura. “O Tocantins está entre os estados com maiores potenciais de produção de pescado do País”, explicou o secretário, acrescentando que vários rios banham a região, sendo que os rios Sono, Palmeiras, Formoso e Tocantins são os principais no abastecimento de usinas e represas.

A atividade ainda é responsável pela diminuição da pesca predatória e por contribuir com a balança comercial. Segundo o coordenador de Fomento à Aquicultura da Seagro, Alexandre Godinho, são muitos os pontos positivos relacionados ao crescimento da produção de peixes. “A atividade de piscicultura crescendo da forma que está no Tocantins, traz uma série de benefícios como à geração de emprego e renda, o reconhecimento dos produtores locais, além da diversificação das atividades rurais, já que a criação de peixes passa a ser um item a mais de destaque nas atividades ligadas à agropecuária”, disse.

Segundo o piscicultor de Almas, João Pimenta, o Sudeste do Tocantins mostra que a produção de peixe é uma atividade que cresce de forma acelerada, principalmente por ter retorno financeiro mais rápido que outros segmentos do campo. “O pequeno produtor investe na piscicultura, pensando em ter lucratividade e reconhecimento, o que de fato tem ocorrido. Na minha produção, por exemplo, de 2013 para 2014 houve um crescimento de 50%, o mesmo ocorre com vários produtores do Estado que mantém  esta atividade”, finaliza Pimenta.

Dados

A Seagro prevê um aumento de 20% na produção de 2014, tendo como base os dados de 2012 e 2013. A produção anual de peixes em 2012 chegou a 10 mil toneladas, já os dados referentes à 2013, mostram um aumento de 20%, sendo 12 mil t/ano. Durante estes períodos, a produção foi focada, sobretudo, nas espécies tambaqui, surubim e caranha.

Ações

O Governo do Estado, por meio de suas secretarias e autarquias, vem desenvolvendo várias ações com foco na aquicultura. Dentre elas, apoio à realização de estudos e pesquisas aquícolas e pesqueiras; apoio à promoção de eventos; e capacitação de piscicultores, pescadores e gestores em aquicultura e pesca. Além disso, o governo está apoiando o Ministério da Pesca e Aquicultura na implantação dos parques aquícolas nos lagos de Palmas, São Salvador e Peixe, iniciando a produção de peixes em tanques redes no Estado. (Ascom/Seagro)