Meio Ambiente

Foto: Angélica Mendonça

O viveiro florestal do Parque Estadual do Lajeado (PEL) foi implantado em maio de 2013, quando o parque completou 12 anos de criação e, em pouco mais de um ano, as mudas produzidas já estão sendo usadas para recuperação de áreas degradadas. Já foram recuperados mais de 20 hectares, com aproximadamente 30 mil mudas.

Com 3 mil m2 cobertos e irrigação, o viveiro tem capacidade para produzir mais de 150 mil mudas de plantas nativas do cerrado e mata de galeria por ano, como explica o gerente do parque, Volnei Marcos Martinovski. “Nossa expectativa para este ano é produzir 180 mil mudas, e tudo acontece aqui dentro, desde a semente que colhemos até a recuperação das áreas”, disse.

A criação do viveiro foi fruto de compensação ambiental pela construção da linha de transmissão Colinas - Serra da Mesa II pela empresa Integração Transmissora de Energia (Intensa). Em parceria com o Estado, foram investidos cerca de R$ 942 mil no Plano de Reflorestamento.

Ainda segundo Martinovski, a expectativa é que ainda este ano seja cumprida a meta de 150 mil mudas destinadas à recuperação das áreas do parque e que as mudas produzidas passem a ser usadas na recuperação de outras áreas. “A Semades [Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável] está fazendo um novo projeto para manutenção dessa estrutura para produção de mudas aqui no parque para recuperar áreas degradas em propriedades e reservas legais”, apontou.  

O Parque conta com uma área total de 10.000 hectares, sendo que destes, na ocasião da assinatura do termo de compensação ambiental, 82,45 h precisavam passar por recuperação ambiental. Assinado em outubro de 2012, o termo tem duração de 4 anos, ou seja, até outubro de 2016.

Parque Estadual do Lajeado

Com diversas belezas naturais preservadas, como cachoeiras e nascentes, abrigando várias espécies de animais e plantas em uma área de 10 mil hectares, o Parque do Lajeado, a cerca de 25 km de Palmas, tem presente em sua área relevos campestres, savânicos e florestais.

Já foram identificadas cerca 41 espécies de mamíferos, 219 de aves, quatro de répteis e 50 anfíbios no interior do parque, sendo algumas espécies ameaçadas de extinção, como o lobo-guará e o urubu-rei.

A lista das espécies de plantas que existes  no Parque Estadual do Lajeado é parcial, em razão de alguns exemplares botânicos encontrarem-se em mãos de especialistas e de ainda haver necessidade de se promoverem novas coletas para um melhor conhecimento da vegetação local.  Em todo o parque foram detectadas 171 espécies, distribuídas em 61 famílias. 

Visitas

A área do Parque Estadual do Lajeado, ainda não é aberta a todo o público, mas pode receber visitas agendadas voltadas à educação ambiental. De acordo com Martinovski, o parque recebe visita de pesquisadores, feita mediante solicitação ao Instituto da Natureza do Tocantins (Naturatins), e de escolas, a partir de agendamento. (ATN)