Polí­tica

Foto: Divulgação

A senadora e candidata a reeleição Kátia Abreu (PMDB) recebeu garantias da Polícia Federal de que um grande contingente da Força Nacional estará no Tocantins para evitar compra de votos e assegurar tranquilidade nas eleições deste ano

O superintendente da PF no Tocantins declarou à senadora Kátia Abreu que muitos policiais da Força Nacional já se encontram em alguns municípios, e que um grande número também já está chegando nestes dias.

Após protocolar no Ministério da Justiça e na Diretoria Geral da Polícia Federal pedido de investigação e vigilância nos cinco maiores municípios do Tocantins e da região do Bico do Papagaio quanto às denúncias de compra de votos nos dias que antecedem as eleições, a senadora Kátia Abreu, candidata à reeleição, se reuniu, na manhã desta sexta-feira, 26, com o superintendente Regional da Policia Federal no Tocantins, Robinson Fuchs Brasilino, e com a delegada Cecília Silva Franco, quando recebeu a garantia de que um grande contingente da Força Nacional de Segurança Pública vai estar presente no Tocantins para assegurar a tranquilidade nas eleições e evitar a compra de votos.

Robinson Fuchs declarou à senadora Kátia Abreu que muitos policiais da Força Nacional já se encontram em alguns municípios, e que um grande número também já está chegando nestes dias. “Quero garantir à senhora, Senadora, e a todos os tocantinenses, que não permitiremos nenhum tipo de ação que possa colocar em risco a segurança e o não cumprimento das leis durante as eleições e os dias que a antecedem”, anunciou o superintendente.

A senadora Kátia Abreu, que vai estar pessoalmente na próxima segunda-feira, 29, com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e com o diretor Geral da Polícia Federal, Leandro Daiello Coimbra, agradeceu o empenho das instituições de Justiça, e reafirmou que sua solicitação se justifica em função de inúmeras denúncias de contratação em massa de cabos eleitorais, atribuídas ao grupo governista, especialmente ao deputado federal Eduardo Gomes, candidato ao Senado e ao ex-secretário Eduardo Siqueira Campos, que disputa uma vaga na Assembleia Legislativa.