Polí­tica

Foto: Montagem Conexão Tocantins/ Imagens Clayton Cristus e AL

A deputada estadual Amália Santana (PT) foi na tribuna onde comentou o segundo turno, falou dos benefícios das gestões do PT e alfinetou a gestão da Associação Tocantinenses de Municípios (ATM) que organizou um movimento de prefeitos contra a presidente Dilma. “Lamento  a postura da ATM que induziu 104 prefeitos a não reconhecer o trabalho da presidente Dilma junto aos prefeitos”, disse. A parlamentar repudiou o preconceito nas redes sociais contra os nordestinos em razão da votação de Dilma na região. "Lamentável", disse a deputada.

O deputado estadual Sargento Aragão (PROS) ironizou a fala de Amália ao criticar a ATM. “Foi bom 104 (prefeitos) ter apoiado o Aécio porque se tivesse apoiado a Dilma ela tinha perdido”, ironizou ao citar prefeitos como José Santana Neto (PT) de Colinas e Moisés Avelino (PMDB) de Paraíso que apoiaram Dilma e ela perdeu nas cidades.

Aragão disse que a presidente já teve a primeira derrota no Congresso Nacional e que terá que dar explicações sobre o caso da Petrobras.

O deputado estadual petista, José Roberto Forzani (PT), entrou na discussão e disse que Aragão está com choro de perdedor. “Ele apoiou Marina (Silva) ela perdeu, ele apoiou Aécio (Neves) ele perdeu, ele apoiou Ataídes (Oliveira) e ele perdeu, ele apoiou ele mesmo e perdeu também, então ele é tão pé frio quanto o Amastha”, frisou.

O parlamentar petista voltou a dizer que o País não está dividido. “No Tocantins os trabalhadores em geral apoiaram em grande maioria o projeto da presidente Dilma”, frisou.

Aragão respondeu José Roberto informando números da  sua votação para senador em Palmas e reiterou que teve mais votos na capital do que a senadora Katia Abreu (PMDB) e do que Dilma no primeiro turno.  Ele desafiou o petista a disputar na eleição de 2016. “Apoie Iratã pra gente disputar aqui em Palmas em 2016”, desafiou.