Polí­tica

Foto: Divulgação Julio Cesar Brasil (PT) Julio Cesar Brasil (PT)

A indicação da senadora Katia Abreu (PMDB), dada como certa segundo a imprensa nacional, para o Ministério da Agricultura e Pecuária do Governo Federal, ganhou resistência por parte de alguns movimentos ligados ao próprio PT de alguns Estados. Uma fazenda chegou a ser invadida no Rio Grande do Sul onde os movimentos se manifestaram contra o nome da senadora após a Folha de São Paulo publicar que o convite já teria sido aceito por Katia.

No Tocantins, segundo o presidente estadual do partido Julio Cesar Brasil (PT), já houve uma resistência maior com relação á senadora mas isso se apaziguou com a aliança feita pelo partido com o PMDB, partido de Katia, para as eleições deste ano. “Já houve uma resistência maior mas a partir da aliança e oportunidade de dialogar com o setor essas divergências foram diminuindo. As divergências existem e são naturais porque são setores com interesses divergentes”, frisou.

Segundo o presidente, os movimentos defendem bandeiras que ainda não foram compreendidas pelo agronegócio. No Estado, o MST e o Movimento dos Atingidos por Barragens- MAB, antes da aliança da eleição, sempre fizeram atos de manifestação contra a senadora e inclusive chegaram a invadir uma fazenda de propriedade da família dela em Aliança.

Julio Cesar frisou que essas divergências fazem parte do jogo político. “Estamos conversando com o PT nacional e estivemos com a Katia. Nós do Tocantins estamos torcendo para que o convite se concretize porque o Tocantins ganha com isso. O Brasil vai ter mais uma mulher fazendo gestão num setor importante e nós do PT vamos ter a oportunidade de estar no Senado por um tempo”, frisou o presidente. O suplente de Katia é o petista histórico e um dos maiores expoentes da legenda no Estado, Donizeti Nogueira (PT).

O presidente do PT disse ainda que o partido está na expectativa de participar mais ativamente dos espaços.