Polí­tica

Foto: Divulgação

O deputado José Roberto do PT comentou na sessão da Assembleia Legislativa nesta terça-feira, 9, a prisão da ex-secretária de Saúde, Vanda Paiva bem como representantes de empresas por parte da Polícia Federal na Operação Pronto Socorro. “Talvez seja um símbolo do combate à corrupção”, frisou.  A Operação deflagrada hoje investiga fraude em licitação da Sesau na compra de materiais hospitalares.

Os deputados comentaram em plenário sobre o Dia Internacional do Combate à corrupção lembrado neste dia 9. “Quer dizer hoje o país vive em meio a roubalheira, a desvio de recurso e duas instituições estão tentando que isso aconteça em nosso país Polícia Federal e Ministério Público Federal. Esses órgãos de Controladoria que não fazem absolutamente nada. O próprio parlamento que envergonha a representatividade que teve nas eleições”, criticou. O deputado chegou a dizer que há um enlameado de ladroagem no país.

O deputado Sargento Aragão (Pros) frisou que todos os dias tem sido de corrupção. “Tem que combater todos os dias porque já virou uma prática no país”, disse.

 Bonifácio desabafa

O deputado José Bonifácio (PR) fez uma reflexão sobre a situação do Estado bem como o risco de perder o CRP – Certitificado de Regularização Previdenciária e sobre os gastos acima da Lei de Responsabilidade Fiscal. “Nosso Estado é campeão nacional de infrações e desobedecimento da LRF. Ganhamos de todos”, disse ao  citar que o Estado gasta mais que todos com pessoal e está acima dos limites da lei.

Conforme o parlamentar o Tocantins está sob o perigo de ter suas transferências voluntárias se perder o CRP. “Nós estamos participando do grande crime praticado contra o Estado. Onde é que está a nossa responsabilidade? Se demitir todos os contratos temporários e acabar com todas as gratificações não representa 10% da folha de hoje, nem 30% das benesses que o Executivo está jogando só na folha de janeiro”, criticou.

O parlamentar afirmou que as leis concedendo promoções e benefícios salariais para algumas categorias não são constitucionais. “Esta lei é inconstitucional. A lei votada por nós poderá não será aplicada porque é ilegal e se o governo não for estadista para tomar posições extremas e corajosas ele está tendente ao fracasso mas pelo que temos visto é hora de nós parlamentares, é hora dos próprios servidores que estão trabalhando pelos seus interesses colocarmos a cabeça no lugar”, disse o parlamentar que frisou que a situação pode complicar em janeiro com as dificuldades financeiras. O parlamentar defendeu que os salários sejam diminuídos e os contratos extinguidos.